Primeiro-ministro diz que Austrália enfrenta seca sem precedentes

Agência EFE

SIDNEY - O primeiro-ministro da Austrália, John Howard, disse hoje que a seca que assola o país criou uma situação perigosa sem precedentes e que, se não chover em grande quantidade e em breve, não haverá água para irrigação.

Howard afirmou que o último relatório sobre a situação 'apresenta uma situação perigosa sem precedentes' na bacia de Murray Darling, segundo a rede de rádio 'ABC'.

- O que o relatório diz essencialmente é que, a menos que tenhamos quantidades muito substanciais (de água), e com isso me refiro a fortes precipitações antes de meados de maio, não haverá água disponível suficiente para regar ou para qualquer outro propósito que não seja o abastecimento das cidades - resumiu o governante.

Howard advertiu que, mesmo que chova nas próximas semanas, não se saberá até julho ou agosto se a quantidade de água recolhida é suficiente.

A bacia de Murray Darling fornece 34% da produção agrícola da Austrália, inclusive 96% de todo o algodão australiano, e contém 75% dos cultivos de grão e gramados de irrigação.

Segundo um censo de 1996, cerca de dois milhões de pessoas vivem em Murray Darling, que abrange um grande território (1.061.469 quilômetros quadrados).

O Escritório Australiano de Recursos Econômicos e Agrícolas anunciou em fevereiro que a escassez de água havia reduzido em 60% a produção agrícola, e calculou que seriam colhidas 1,9 milhão de toneladas, número mais baixo desde as graves secas de 1982 e 1983.

O organismo previu que a produção de arroz diminuirá em 90% e ficará em 106 mil toneladas, e a de algodão em 42%, com 250 mil toneladas.