Posada Carriles diz que foi preso por razões políticas

Agência EFE

EL PASO - A defesa do anticastrista Luis Posada Carriles alegou que os EUA mantêm seu cliente preso para "apaziguar' os protestos de Cuba e Venezuela contra sua libertação, diz um documento judicial obtido nesta terça-feira pela Efe.

A menção dos supostos motivos políticos do Governo americano para opor-se à liberdade, por meio do pagamento de fiança, de Posada Carriles, acusado por Havana e Caracas de atos terroristas, faz parte da apelação apresentada pelos advogados do réu na última segunda.

Eles disseram que na apelação dos EUA não se reconhecem 'as motivações políticas do Governo' para tentar manter o anticastrista preso indefinidamente para 'aplacar as críticas e protestos' dos presidentes de Cuba e da Venezuela.

Os dois governantes criticaram a decisão da juíza Kathleen Cardone, de El Paso (Texas), de conceder liberdade a Posada Carriles sob uma fiança de US$ 350 mil até a realização de um julgamento contra ele no dia 11 de maio.

A decisão judicial foi suspensa temporariamente após o Governo americano apresentar uma moção de emergência para evitar a prisão do cubano, acusado pela Venezuela de causar a explosão de um avião em 1976, ação que deixou 73 mortos.