EUA rejeitam apelo por maior papel ambiental da ONU

REUTERS

NAIRÓBI - Os Estados Unidos apoiam o fortalecimento do Programa Ambiental da Organização das Nações Unidas (ONU), mas não vêem necessidade de uma nova agência internacional com mais poderes, disse uma autoridade norte-americana nesta terça-feira.

Em fevereiro, 46 países, liderados pela França, propuseram a criação da Organização Ambiental da ONU, para combater ameaças como o aquecimento global, a falta de água e a extinção de espécies.

Críticos dizem que o atual Programa Ambiental da ONU, com sede em Nairóbi, tem poucos poderes, mas Washington considera que este continua sendo o melhor fórum para ajudar os países a lidarem com as questões ambientais.

- Há dezenas desses acordos multilaterais. Nossa opinião é de que eles devem ser administrados pelos respectivos membros - disse Gerald Anderson, subsecretário-assistente do Escritório de Assuntos para Organizações Internacionais dos EUA.

- A ONU não redigiu esses tratados. Seus membros não são os mesmos dos tratados, então não é adequado que uma organização da ONU administre sua implementação.

A nova agência seria inspirada na Organização Mundial da Saúde, que tem bem mais influência que o Programa Ambiental, e poderia ajudar a promover verbas e pesquisas e a coordenar ações governamentais.

O tema ganha especial importância devido aos recentes relatórios da ONU com alertas sobre as consequências do aquecimento global --tema que será debatido na terça-feira pela primeira vez no Conselho de Segurança da ONU.

Em fevereiro, o presidente da França, Jacques Chirac, disse que 'a própria sobrevivência da humanidade' está em jogo. Sua proposta para a criação de uma nova agência recebeu apoio dos países da União Européia e de nações como Argélia, Equador, Camboja, Seicheles e Gabão.

Mas Estados Unidos, China, Rússia e Índia --os quatro maiores poluidores do planeta-- não apareceram na lista.

Washington considera que o Programa Ambiental está em ótimas condições de 'agregar valor à ONU', ajudando países em desenvolvimento a preservarem o meio ambiente e cumprirem suas obrigações nos tratados internacionais, disse Anderson à Reuters durante uma conferência da ONU no Quênia.

- Somos muito a favor do Programa Ambiental. Nossa preocupação é que se você cria novas e maiores instituições, as pessoas no topo ficam mais longe do tipo de especialização que existe no nível do solo.