Forças russas se reagrupam perto de Kiev após reveses

...

Foto: Reuters/Maksim Levin
Credit...Foto: Reuters/Maksim Levin

Forças russas que atacam Kiev estão se reagrupando a noroeste da capital ucraniana, mostraram imagens de satélite, e o Reino Unido disse nesta sexta-feira (11) que Moscou pode estar planejando um ataque à cidade dentro de dias.

A principal força de ataque da Rússia no norte da Ucrânia está parada em uma rodovia ao norte de Kiev desde os primeiros dias da invasão, tendo falhado no que os países ocidentais acreditam ser um plano inicial para um ataque relâmpago à capital.

Mas imagens divulgadas pela empresa privada de satélites norte-americana Maxar mostraram unidades blindadas manobrando dentro e através de cidades próximas ao aeroporto Antonov em Hostomel, a noroeste de Kiev, que tem sido palco de intensos combates desde que a Rússia desembarcou pára-quedistas lá nas primeiras horas da guerra.

Outros elementos foram reposicionados perto do pequeno assentamento de Lubyanka, ao norte, com obuses de artilharia rebocados em posições de tiro, disse Maxar.

"A Rússia provavelmente está procurando redefinir e reposicionar suas forças para uma atividade ofensiva renovada nos próximos dias", disse o Ministério da Defesa do Reino Unido em uma atualização de inteligência. "Isso provavelmente incluirá operações contra a capital Kiev."

A atualização disse que as forças terrestres russas ainda estavam fazendo apenas um progresso limitado, com problemas logísticos que dificultaram seu avanço e a resistência ucraniana forte.

O estado-maior da Ucrânia também disse que as forças russas se reagruparam depois de sofrer grandes perdas.

Pelo sétimo dia consecutivo, a Rússia anunciou planos de cessar fogo para permitir que os civis deixem o porto de Mariupol, no sudeste do país. A Ucrânia disse que tentará mais uma vez realizar uma evacuação da cidade: "Esperamos que funcione hoje", disse a vice-primeira-ministra Iryna Vereshchuk.

Todas as tentativas anteriores de chegar a Mariupol falharam com ambos os lados acusando-se mutuamente de não observar o cessar-fogo, enquanto centenas de milhares de pessoas estão presas sob bombardeio implacável sem comida ou água na emergência humanitária mais terrível da guerra.

Washington disse que o ataque russo a civis em Mariupol foi um crime de guerra. Moscou nega que esteja atacando civis no que chama de "operação especial" para desarmar e "desnazificar" a Ucrânia, e que diz estar indo de acordo com o planejado.

 

EU SUMMIT

Líderes da União Europeia estavam realizando uma cúpula no Palácio de Versalhes, na França, que deve ser dominado por pedidos de mais ações para punir a Rússia, ajudar a Ucrânia e lidar com um influxo de quase 2,5 milhões de refugiados em apenas duas semanas.

Nas duas semanas desde a invasão, os países ocidentais agiram rapidamente para isolar a Rússia do comércio mundial e do sistema financeiro global de maneiras nunca antes vistas em uma economia tão grande.

Na última medida, fontes disseram que o presidente dos EUA, Joe Biden, pedirá ao Grupo dos Sete países industrializados que retirem da Rússia os direitos comerciais normais, conhecidos como "status de nação mais favorecida". Isso permitiria que os produtos russos fossem sujeitos a novas tarifas.

Nesta sexta-feira (11), três ataques aéreos na cidade de Dnipro, no centro da Ucrânia, mataram pelo menos uma pessoa, disseram serviços de emergência do estado, acrescentando que os ataques aconteceram perto de um jardim de infância e de um prédio de apartamentos.

Embora o avanço da Rússia sobre Kiev tenha sido paralisado e até agora não tenha conseguido capturar nenhuma cidade no norte ou leste da Ucrânia, fez progressos mais substanciais no sul. Moscou disse nesta sexta-feira que seus aliados separatistas no sudeste capturaram a cidade de Volnovakha, ao norte de Mariupol.

O Senado dos EUA votou nessa quinta-feira (10) para aprovar uma legislação que fornece US$ 13,6 bilhões para ajudar a Ucrânia a financiar munições e outros suprimentos militares, bem como apoio humanitário.

A Rússia é o maior exportador mundial de petróleo e gás combinados. Suas exportações de energia foram amplamente isentas de sanções até agora, embora Washington tenha anunciado que deixará de comprar petróleo russo.

A UE também está trabalhando em planos para eliminar gradualmente as importações de petróleo, gás e carvão russos, mas o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban, disse em um vídeo postado em sua página no Facebook nesta sexta-feira que o bloco não imporia sanções à energia russa.

A guerra de informações também aumentou nas mídias sociais, com a Rússia exigindo que Washington interrompa as "atividades extremistas" da empresa proprietária do Facebook, Meta Platforms, que suspendeu temporariamente a proibição de pedidos de violência contra os militares e lideranças russos.

A empresa de mídia social permitirá temporariamente algumas postagens que pedem a morte de Putin ou do presidente bielorrusso Alexander Lukashenko em países como Rússia, Ucrânia e Polônia, de acordo com e-mails internos para seus moderadores de conteúdo. (com agência Reuters)

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais