Grã-Bretanha diz que coluna russa se aproxima de Kiev, refugiados ucranianos chegam a 1 milhão

Analistas militares dizem que o avanço russo tem sido um fiasco tático até agora, paralisado por falhas de logística e manutenção de equipamentos, com colunas agora confinadas às estradas enquanto o degelo da primavera transforma o solo ucraniano em lama. A cada dia que a principal força de ataque permanece parada na estrada ao norte de Kiev, sua condição se deteriora ainda mais, disse Michael Kofman, especialista em militares russos no Wilson Center, em Washington DC.

Foto: Reuters/Viacheslav Ratynskyi
Credit...Foto: Reuters/Viacheslav Ratynskyi

A invasão russa da Ucrânia entrou em sua segunda semana nesta quinta-feira (3) como um aparente fracasso tático até agora, com sua principal força de assalto paralisada por dias em uma rodovia ao norte de Kiev e outros avanços interrompidos nos arredores das cidades. Está bombardeando em terrenos baldios.

O número de refugiados da Ucrânia subiu para mais de 1 milhão, segundo a ONU. Centenas de soldados russos e civis ucranianos foram mortos, e a própria Rússia foi mergulhada em um isolamento nunca antes experimentado por uma economia de tal tamanho.

Apesar de um plano de batalha inicial que os países ocidentais disseram ter como objetivo derrubar rapidamente o governo de Kiev, a Rússia capturou apenas uma cidade ucraniana até agora - o porto de Kherson, no sul do rio Dnipro, no qual seus tanques entraram nessa quarta-feira.

"O corpo principal da grande coluna russa que avança sobre Kiev permanece a mais de 30 km (19 milhas) do centro da cidade, tendo sido atrasado pela forte resistência ucraniana, avaria mecânica e congestionamento", disse o Ministério da Defesa britânico em uma atualização de inteligência.

"A coluna fez pouco progresso discernível em mais de três dias", disse. "Apesar dos bombardeios russos pesados, as cidades de Kharkiv, Chernihiv e Mariupol continuam em mãos ucranianas."

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskiy, permanece em Kiev, divulgando atualizações regulares de vídeo para a nação. Em sua última mensagem, ele disse que as linhas ucranianas estavam em espera. "Não temos nada a perder a não ser nossa própria liberdade", disse ele.

Em Borodyanka, uma pequena cidade a 60 km (40 milhas) a noroeste de Kiev, onde os moradores repeliram um ataque russo, cascos queimados de blindados russos destruídos foram espalhados em uma estrada, cercados por prédios explodidos em ruínas. As chamas de um prédio de apartamentos iluminaram o céu antes do amanhecer. Um cachorro latiu enquanto os socorristas caminhavam pelos escombros na escuridão.

"Eles começaram a atirar em direção ao parque em frente aos correios", contou um homem no apartamento onde estava abrigado com sua família. "Aí aqueles desgraçados acionaram o tanque e começaram a atirar no supermercado que já estava queimado. Pegou fogo de novo".

"Um velho correu para fora como um louco, com grandes olhos abertos, e disse 'me dê um coquetel Molotov! Acabei de colocar fogo no APC deles!... Me dê um pouco de gasolina, vamos fazer um coquetel Molotov e queimar o tanque !'."

 

SEGUNDA RODADA DE PALESTRAS

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, caracterizou a resposta ocidental às ações da Rússia como "histeria", que ele disse que passaria. Ele disse esperar que uma segunda rodada de negociações de paz com uma delegação ucraniana ocorra nesta quinta-feira (3). Uma primeira reunião na segunda-feira na Bielorrússia não produziu nenhum progresso.

Apenas Bielorrússia, Eritreia, Síria e Coreia do Norte votaram contra uma resolução de emergência na Assembleia Geral da ONU condenando a "agressão" da Rússia. Em Pequim, os organizadores enviaram atletas russos e bielorrussos para casa dos Jogos Paralímpicos.

"Para os atletas dos países afetados, sentimos muito que vocês sejam alcançados pelas decisões que seus governos tomaram na semana passada ao violar a Trégua Olímpica. Vocês são vítimas das ações de seus governos", disseram.

Na própria Rússia, onde quase todas as principais figuras da oposição foram presas ou exiladas em uma repressão no ano passado, as autoridades proibiram reportagens que descrevem a "operação militar especial" lançada pelo presidente Vladimir Putin em 24 de fevereiro como uma invasão ou guerra.

As duas últimas grandes emissoras independentes, a Dozhd TV e a rádio Ekho Moskvy, foram retiradas do ar. A agência Tass informou nesta quinta-feira que a Ekho Moskvy seria fechada para sempre. As manifestações contra a guerra foram pequenas e rapidamente encerradas pela polícia que prendeu milhares de pessoas. A tropa de choque arrancou manifestantes pacíficos das ruas de São Petersburgo na noite de quarta-feira.

Tendo falhado em capturar as principais cidades ucranianas, a Rússia mudou de tática nos últimos dias, aumentando o bombardeio delas. Faixas do centro de Kharkiv, uma cidade de 1,5 milhão de pessoas, foram transformadas em escombros.

Mariupol, o principal porto do leste da Ucrânia, foi cercado por pesados bombardeios, sem água ou energia. Autoridades dizem que não podem evacuar os feridos. O conselho da cidade comparou a situação lá com o cerco de Leningrado na Segunda Guerra Mundial, chamando-o de "genocídio do povo ucraniano".

"Em apenas sete dias, um milhão de pessoas fugiram da Ucrânia, desenraizadas por esta guerra sem sentido. Trabalhei em emergências de refugiados por quase 40 anos e raramente vi um êxodo tão rápido quanto este", disse Filippo Grandi, representante da ONU - Alto Comissário para os Refugiados.

"Hora a hora, minuto a minuto, mais pessoas estão fugindo da terrível realidade da violência."

 

AVANÇO PARADO

Analistas militares dizem que o avanço russo tem sido um fiasco tático até agora, paralisado por falhas de logística e manutenção de equipamentos, com colunas agora confinadas às estradas enquanto o degelo da primavera transforma o solo ucraniano em lama. A cada dia que a principal força de ataque permanece parada na estrada ao norte de Kiev, sua condição se deteriora ainda mais, disse Michael Kofman, especialista em militares russos no Wilson Center, em Washington DC.

"Quanto mais tempo as forças russas ficarem à frente, menor será sua prontidão e desempenho. Tudo, desde o estado dos pneus até a disponibilidade de suprimentos e, no final, o moral", ele twittou.

Mas o grande medo é que, à medida que a probabilidade de qualquer vitória rápida diminuir, a Rússia recorra às táticas que usou na Síria e na Chechênia, que deixaram as grandes cidades de Aleppo e Grozny em ruínas antes de serem finalmente superadas.

A Rússia já reconheceu quase 500 de seus soldados mortos. A Ucrânia diz que matou quase 9.000, embora isso não possa ser confirmado. As autoridades ucranianas se ofereceram para libertar quaisquer prisioneiros russos se suas mães vierem buscá-los.

Kherson, uma capital provincial de cerca de 250.000 pessoas, foi o primeiro centro urbano significativo a cair. O prefeito Igor Kolykhayev disse nessa quarta-feira que tropas russas estavam nas ruas e entraram no prédio do conselho.

"Não fiz nenhuma promessa a eles... apenas pedi que não atirassem nas pessoas", disse ele em um comunicado.

O Departamento de Estado dos EUA pediu a Putin e ao governo russo que "cessem imediatamente esse derramamento de sangue" e retirem as forças da Ucrânia.

O Tribunal Penal Internacional disse que abriria uma investigação sobre possíveis crimes de guerra na Ucrânia, após pedidos de 39 de seus estados membros. A Rússia nega atacar civis e diz que seu objetivo é "desarmar" a Ucrânia e prender líderes que falsamente chama de neonazistas.

A Rússia é um dos maiores produtores de energia do mundo e tanto ela quanto a Ucrânia são grandes exportadores de alimentos. Os preços do petróleo e das commodities subiram cada vez mais nesta quinta-feira em um presságio sombrio para a inflação global. (com agência Reuters)

 

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais