Spyware de empresa israelense foi usado para hackear celulares de 11 diplomatas dos EUA, segundo WP

.

Foto: AFP 2021 / Joel Saget
Credit...Foto: AFP 2021 / Joel Saget

Nos últimos meses, o spyware Pegasus, desenvolvido pela empresa israelense NSO Group, foi usado para hackear os iphones de 11 diplomatas dos EUA, informou nessa sexta-feira (3) o jornal "The Washington Post", citando alertas da Apple aos indivíduos afetados.

Segundo aponta o jornal, os ataques cibernéticos tiveram como alvo funcionários dos EUA que trabalham na África Oriental.

O spyware Pegasus fornece aos clientes governamentais a capacidade de extrair arquivos, ouvir conversas e rastrear os movimentos do dispositivo infetado com este software malicioso, acrescenta a mídia.

Enquanto alguns dos indivíduos-alvo eram representantes do corpo diplomático do Departamento de Estado dos EUA, outros eram colaboradores locais que trabalhavam nas embaixadas dos EUA.

Uma fonte familiarizada com a situação disse ao jornal que os celulares hackeados tinham estado conectados a endereços de e-mail do Departamento de Estado dos EUA.

Em comunicado emitido nessa sexta-feira (3), o Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca informou que os EUA estão extremamente preocupados com o fato de o software do NSO Group representar um grave risco de contraespionagem e de segurança para os funcionários americanos, razão pela qual a administração colocou várias empresas envolvidas no desenvolvimento e divulgação destas ferramentas na lista de entidades do Departamento de Comércio que realizam atividades contrárias à segurança nacional dos EUA.

Em novembro passado, o Departamento de Comércio já tinha incluído a referida empresa israelense na sua "lista negra". O spyware Pegasus da NSO Group teria sido usado para espionar os celulares de cerca de 50.000 pessoas, incluindo políticos, empresários, ativistas, jornalistas e opositores em todo o mundo. (com agência Sputnik Brasil)

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais