EUA alertam sobre mais ataques após retaliação pela explosão no aeroporto de Cabul

A Grã-Bretanha disse que o Ocidente não deve reconhecer o domínio do Taleban no Afeganistão, a menos que eles permitam uma passagem segura para aqueles que desejam partir e respeitem os direitos humanos

Foto: Reuters
Credit...Foto: Reuters

Os Estados Unidos atacaram umlíder do Estado Islâmico no Afeganistão em retaliação a um bombardeio mortal fora do aeroporto de Cabul, e disseram que há um alto risco de novas explosões ao encerrar sua missão de evacuar civis e retirar as tropas

Uma autoridade dos EUA disse neste sábado (28) que o alvo de seu ataque noturno com drones não era considerado um dirigente do Estado Islâmico e não descartou ações futuras contra o grupo.

As forças americanas e aliadas estão correndo para completar as evacuações e se retirarem até o prazo de terça-feira (31) estabelecido pelo presidente Joe Biden, após duas décadas de presença militar americana no Afeganistão.

Neste sábado, havia menos de 4.000 soldados americanos no aeroporto de Cabul, disse a autoridade norte-americana, que não quis se identificar, ante 5.800 no pico da missão de evacuação.

A explosão suicida de quinta-feira, reivindicada por ( ISIS-K ), afiliada afegã do Estado Islâmico, causou um banho de sangue do lado de fora dos portões do aeroporto, onde milhares de afegãos se reuniram para tentar decolar desde que o Taleban assumiu o controle de Cabul em agosto 15.

O ataque matou muitos afegãos e 13 militares americanos, o incidente mais letal para as tropas americanas no Afeganistão em uma década.

O presidente Joe Biden prometeu nessa quinta-feira (26) que Washington iria atrás dos perpetradores, e o Comando Central dos EUA disse que o ataque do drone ocorreu durante a noite na província de Nangarhar, a leste de Cabul e na fronteira com o Paquistão.

"As primeiras indicações são de que matamos o alvo", disse um comunicado militar dos Estados Unidos.

Porta-vozes do Taleban, que assumiu o controle do Afeganistão com a retirada das forças dos EUA, não comentaram o ataque do drone.

O Taleban, militantes islâmicos linha-dura, são inimigos do Estado Islâmico e disseram ter prendido alguns suspeitos envolvidos na explosão do aeroporto na quinta-feira.

A Casa Branca disse que os próximos dias serão provavelmente os mais perigosos da operação de evacuação. Os Estados Unidos, e seus aliados retiraram cerca de 111.900 pessoas do Afeganistão nas últimas duas semanas, disse o Pentágono.

Autoridades dos EUA disseram que outro ataque contra o aeroporto de Cabul era quase certo e que havia temores de que pudesse ser mais destrutivo do que o ataque de quinta-feira. A embaixada dos Estados Unidos em Cabul alertou os americanos para evitarem o aeroporto e disse que aqueles que estão em seus portões devem partir imediatamente.

A mídia dos EUA, incluindo o "New York Times", citou autoridades de saúde dizendo que a explosão de quinta-feira matou até 170 pessoas, sem incluir as tropas americanas.

PAÍSES ALIADOS

A maioria dos mais de 20 países aliados envolvidos no transporte aéreo de seus cidadãos e afegãos de Cabul disseram ter concluído as evacuações na sexta-feira.

O último vôo britânico evacuando civis do Afeganistão deixou Cabul neste sábado, encerrando uma operação que transportou quase 15 mil cidadãos afegãos e britânicos nas duas semanas desde que o Taleban assumiu o controle.

As tropas britânicas levariam consigo um pequeno número de cidadãos afegãos ao partirem neste fim de semana, disse um porta-voz do Ministério da Defesa. O chefe das Forças Armadas, Nick Carter, disse que centenas de pessoas que trabalharam com a Grã-Bretanha não sobreviveriam.

A Grã-Bretanha esteve ao lado de Washington desde o início da invasão do Afeganistão liderada pelos EUA que derrubou o então governante Taleban como punição por abrigar os militantes da Al Qaeda por trás dos ataques de 11 de setembro de 2001.

O representante civil da OTAN no Afeganistão disse que a equipe fez o melhor em circunstâncias quase impossíveis e faria o possível para trazer de volta os que ficaram para trás.

Uma autoridade dos EUA disse que um drone ceifador voado do Oriente Médio atingiu um militante do Estado Islâmico que planejava ataques e estava em um carro com um associado. Acredita-se que ambos tenham sido mortos, disse o oficial, falando sob condição de anonimato.

EXPLOSÕES

Moradores de Jalalabad, capital de Nangarhar, disseram ter ouvido várias explosões de um ataque aéreo por volta da meia-noite, embora não esteja claro se foram causadas por um drone americano.

Em Jalalabad, o ancião da comunidade Malik Adib disse que três pessoas morreram e quatro ficaram feridas no ataque aéreo, acrescentando que ele foi convocado pelo Taleban que investigava o incidente.

“Mulheres e crianças estão entre as vítimas”, disse Adib, embora não tivesse informações sobre sua identidade.

O comunicado militar dos EUA disse: "Não temos conhecimento de vítimas civis."

Um alto comandante do Taleban disse que alguns membros do ISIS-K foram presos em conexão com o ataque a Cabul. "Eles estão sendo interrogados por nossa equipe de inteligência", disse o comandante.

Embora o aeroporto de Cabul esteja um caos, o resto da cidade está geralmente calmo. O Taleban pediu aos residentes que entregassem equipamentos do governo, incluindo armas e veículos, dentro de uma semana, disse o porta-voz Zabihullah Mujahid.

Algumas autoridades americanas disseram que o ataque ao aeroporto poderia ter sido evitado na operação apressada para retirar as tropas e retirar as pessoas em risco.

Biden já estava enfrentando críticas em casa e no exterior pelo caos após o colapso do governo e das forças armadas do Afeganistão apoiado pelo Ocidente em face do avanço do Taleban. Ele defendeu suas decisões, dizendo que os Estados Unidos alcançaram há muito tempo sua justificativa para a invasão em 2001.

A Grã-Bretanha disse que o Ocidente não deve reconhecer o domínio do Taleban no Afeganistão, a menos que eles permitam uma passagem segura para aqueles que desejam partir e respeitem os direitos humanos.(com agência Reuters)