Biles retoma os holofotes com a queda dos recordes mundiais

.

Foto: Reuters / Mike Blake
Credit...Foto: Reuters / Mike Blake

Simone Biles retomou os palcos de ginástica nesta terça-feira (3) após uma semana de ausência, eletrizando as Olimpíadas de Tóquio em um dia em que recordes mundiais foram quebrados e os organizadores investigaram o tratamento dado por Belarus a um atleta agora sob proteção diplomática.

O retorno da americana, considerada por muitos a maior ginasta de todos os tempos, garantiu um final de grande sucesso para o esporte no Ariake Gymnastics Center, com Biles pontuando 14.000 na trave para levar o bronze.

Ela havia desistido abruptamente da competição por equipes no início dos Jogos, citando problemas de saúde mental e aumentando o destaque global sobre as pressões que os atletas de elite enfrentam.

"Eu estava orgulhosa de mim mesmo por ter ido lá depois do que passei", disse Biles, que chegou a Tóquio com quatro ouros e um bronze no Rio há cinco anos. "Vou valorizar este aqui muito mais depois de tudo que passei."

Na pista, o norueguês Karsten Warholm quebrou seu próprio recorde mundial na final masculina dos 400 metros com barreiras com uma corrida de 45,94 segundos, superando o americano Rai Benjamin, que também bateu o recorde do mês passado de 46,70 segundos.

"Cara, é tão louco. É de longe o maior momento da minha vida", disse Warholm depois de esculpir seu nome entre os grandes nomes da história do atletismo e agachar-se em aparente descrença na pista. "Você conhece o clichê de que ainda não caiu na cabeça? Acho que não, mas estou em êxtase."

No ciclismo feminino, a Alemanha conquistou a medalha de ouro na perseguição por equipes no Velódromo de Izu, batendo a Grã-Bretanha em uma final emocionante depois que ambas as equipes trocaram recordes mundiais nas mangas. Os Estados Unidos ficaram com o bronze.

Fora da competição, o Comitê Olímpico Internacional (COI) disse que esperava um relatório no final do dia da equipe bielorrussa sobre o caso da velocista Krystsina Tsimanouskaya, que buscou proteção na embaixada polonesa em Tóquio nessa segunda-feira (2) após recusar as ordens de sua equipe para voar casa.

Ela deveria voar nessa quarta-feira (4) para a Polônia, que lhe ofereceu um visto humanitário. O COI falou duas vezes nessa segunda-feira (2) com Tsimanouskaya, que estava em um lugar seguro e protegido, disse o porta-voz Mark Adams.

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, acusou o regime do presidente da Bielo-Rússia, Alexander Lukashenko, de intolerável "repressão transnacional" no assunto.

Tsimanouskaya disse ao jornal alemão Bild que sua ruptura com a equipe não foi inicialmente por causa de política. "Eu nunca poderia imaginar que isso se transformaria em um grande escândalo político."

FAZENDO HISTÓRIA

Atletas de esportes ao ar livre estavam mais uma vez lutando contra o clima de verão em Tóquio, assim como seus concorrentes, com máximas em torno de 33 graus Celsius (91 Fahrenheit) e umidade da floresta tropical.

Aos atletas também faltou o aplauso dos torcedores, já que os organizadores proibiram os espectadores de quase todos os eventos devido à covid-19, que já havia atrasado os Jogos em um ano.

A falta de fãs, no entanto, não está deprimindo a audiência , disse o COI, já que eventos de estreia como surfe e skate atraem um burburinho global.

A cidade-sede, Tóquio, está enfrentando seu quarto estado de emergência por coronavírus, com infecções atingindo níveis recordes e hospitais sob pressão cada vez maior.

Os organizadores das Olimpíadas de Tóquio relataram 294 casos de covid-19 relacionados aos Jogos desde 1º de julho, mesmo enquanto testes rígidos e medidas de monitoramento continuam dentro da "bolha" olímpica.

Testes covid-19 positivos forçaram a Grécia a desistir das competições artísticas de natação.

Biles, com suas esperanças de ganhar seis medalhas de ouro em Tóquio destruídas, tem lutado contra as "curvas" - onde as ginastas ficam desorientadas durante suas sequências que desafiam a gravidade - que a forçaram a se retirar dos eventos.

A japonesa Naomi Osaka, que havia citado a depressão ao fazer uma pausa no tênis nos últimos meses, perdeu para o número 42 mundial na terceira rodada na semana passada, um dos muitos resultados surpreendentes nos Jogos deste ano.

Também fazendo história, a primeira olímpica transgênero, a levantadora de pesos neozelandesa Laurel Hubbard, disse que não se considera uma pioneira e só quer ser vista como qualquer outra atleta no maior palco do esporte.

Hubbard fez uma saída inesperada cedo nessa segunda-feira (2), eliminando 10 minutos em sua competição +87 kg, encerrando uma aparição que provocou polêmica.

Os defensores dos direitos dos transgêneros aplaudiram sua permissão para competir, enquanto alguns ex-atletas e ativistas acreditam que seu histórico lhe dá uma vantagem fisiológica injusta e prejudica os esforços para a igualdade das mulheres no esporte.

Enquanto isso, alguns atletas australianos danificaram seus quartos na vila dos atletas antes de partirem, enquanto os mascotes da equipe - um emu e um canguru - desapareceram, mas retornaram, disse o chefe da equipe, Ian Chesterman. (com agência Reuters)