A América pode estar 'de volta' ao G7, mas as dúvidas dos aliados sobre a democracia dos EUA permanecem

.

Reuters / Toby Melville
Credit...Reuters / Toby Melville

Em 2017, o presidente dos Estados Unidos chocou os aliados ocidentais de Washington durante sua primeira viagem à Europa, repreendendo-os por não pagarem sua "cota justa" na defesa, empurrando fisicamente um primeiro-ministro e dando um aperto de mão em outro líder em público.

Depois de quatro anos tumultuados para o relacionamento transatlântico sob Donald Trump, as palavras de amizade de seu sucessor democrata Joe Biden e a promessa de que "a América está de volta" enquanto ele se encontra com aliados ocidentais nesta semana e na próxima são um alívio bem-vindo.

Mas não são suficientes, dizem diplomatas e especialistas em política externa.

Biden enfrenta dúvidas persistentes sobre a confiabilidade da América como parceiro. Líderes do Grupo dos Sete economias avançadas, da Otan e da União Europeia estão preocupados com o pêndulo da política dos EUA balançando mais uma vez, e estão procurando ações concretas, não palavras após o choque dos anos Trump.

"Isso é um interregno entre Trump 1.0 e Trump 2.0? Ninguém sabe", disse David O'Sullivan, ex-embaixador da União Europeia em Washington. "Acho que a maioria das pessoas é de opinião que devemos aproveitar a oportunidade com este governo para fortalecer o relacionamento e esperar que isso possa sobreviver além das provas intermediárias e de 2024."

Os líderes europeus têm se mostrado otimistas publicamente, saudando a sobrevivência do multilateralismo - mas suas dúvidas vão além das cicatrizes dos anos Trump. A política externa do governo Biden tem enviado sinais contraditórios, marcados por alguns erros e incertezas em áreas-chave de política, como a China, graças a extensas revisões, disseram ex-funcionários dos EUA e fontes diplomáticas.

"Os parceiros da América ainda estão se recuperando do que aconteceu no governo de Trump", disse Harry Broadman, ex-funcionário sênior dos EUA e diretor administrativo do Berkeley Research Group. "Mas algumas das mensagens de Biden também foram desarticuladas."

Apenas um punhado de políticas internacionais concretas surgiram quase cinco meses desde que assumiu o cargo, enquanto as decisões de Biden de pressionar por cláusulas "Buy America", apoiar uma renúncia aos direitos de propriedade intelectual na Organização Mundial do Comércio com pouca consulta a outros membros, e definir um cronograma agressivo de retirada do Afeganistão irritou aliados.

Biden disse que todas as tropas americanas deixarão o Afeganistão em 11 de setembro, uma data importante que marca o início da guerra mais longa da América há duas décadas. Autoridades americanas disseram que concluirão a retirada antes disso.

O cronograma fez com que os aliados lutassem para acompanhar o ritmo, disseram vários diplomatas ocidentais, acrescentando que consideravam a mudança destinada ao consumo doméstico.

Biden e seu principal diplomata, o secretário de Estado Antony Blinken, disseram repetidamente que a política externa dos EUA, em primeiro lugar, deve beneficiar a classe média americana.

Para muitos governos europeus, isso soa como um eufemismo para o lema isolacionista de Trump, "América em primeiro lugar". "A América primeiro permanecerá, sem dúvida", disse uma fonte diplomática ocidental.

Um diplomata europeu disse que o fator mais importante é ter novamente alguém com quem trabalhar em Washington: "Depois dos últimos quatro anos, isso realmente importa."

UMA AMÉRICA MENOS DEMOCRÁTICA?

Uma das principais preocupações subjacentes a muitos aliados estrangeiros é fundamental, dizem muitos especialistas - sua fé na democracia americana está abalada.

Durante meses, Trump divulgou falsas alegações de que venceu a eleição de 3 de novembro e, em 6 de janeiro, encorajou seus partidários a marchar até o Capitólio dos Estados Unidos enquanto legisladores certificavam a vitória de Biden.

O motim, que levou à evacuação do edifício e a cinco mortes, deixou os líderes mundiais atordoados.

Jamie Shea, ex-oficial da Otan agora no grupo de estudos Friends of Europe em Bruxelas, disse à Reuters que teme que o próximo presidente dos EUA possa ser outro líder ao estilo de Trump.

"Portanto, acredito que temos quatro anos", disse ele, "temos um período de tempo limitado com esta administração pró-europeia, para cimentar uma sólida parceria econômica e de segurança transatlântica."

O Partido Democrata de Biden opera com uma maioria mínima no Congresso dos Estados Unidos, o que torna difícil aprovar leis e redefinir as metas internacionais. O Partido Republicano se uniu em torno da oposição à sua agenda.

Em um acordo histórico, os ministros das finanças do G7 concordaram com o plano da secretária do Tesouro dos EUA, Janet Yellen, de buscar uma alíquota tributária mínima global de pelo menos 15% e permitir que os países tributem cerca de 100 grandes empresas de alto lucro. Os principais republicanos do Senado rejeitaram imediatamente o acordo.

"Isso mostra a dificuldade de se conseguir algo em um Congresso tão dividido", disse uma fonte diplomática.

Embora as pessoas em 12 países europeus e asiáticos ainda vejam os EUA como um parceiro "um tanto confiável", revelou uma pesquisa do Pew Research Center divulgada nessa quinta-feira (10), mas poucos acreditam que a democracia americana em seu estado atual está dando um bom exemplo de valores democráticos. (com agência Reuters)