Papa, em novo decreto, permite mais papéis para mulheres na Igreja

O pontífice formalizou o que já vinha acontecendo em muitos países há anos

Foto: Vaticano
Credit...Foto: Vaticano

O Papa Francisco, em mais um passo em direção a uma maior igualdade para as mulheres na Igreja Católica Romana, mudou nesta segunda-feira sua lei para permitir que elas sirvam como leitoras em liturgias, coroinhas e distribuidoras de comunhão.

Em um decreto, o papa formalizou o que já vinha acontecendo em muitos países há anos. Mas com a mudança no Código de Direito Canônico, os bispos conservadores não poderão impedir as mulheres de sua diocese de exercer essas funções.

Mas o Vaticano enfatizou que as funções eram “essencialmente distintas do ministério ordenado” e não eram um precursor automático para que as mulheres um dia pudessem ser ordenadas "padres".

No decreto, denominado “Spiritus Domini” (O Espírito do Senhor), Francisco disse que agiu após reflexão teológica.

Em uma carta que o acompanhou, o papa disse que queria trazer “estabilidade e reconhecimento público” às mulheres que já desempenhavam funções.

“Esta mudança coloca a Igreja institucional em alinhamento com as realidades pastorais em todo o mundo”, disse Kate McElwee, diretora executiva da Conferência de Ordenação de Mulheres, que promove o sacerdócio feminino.

Em uma grande mudança em agosto passado, o papa indicou seis mulheres, incluindo a ex-tesoureira do príncipe Charles da Grã-Bretanha, para cargos importantes no conselho que supervisiona as finanças do Vaticano.

Francisco já nomeou mulheres como vice-chanceler, diretora dos Museus do Vaticano e vice-chefe da Sala de Imprensa do Vaticano, bem como quatro mulheres como conselheiras do Sínodo dos Bispos, que prepara reuniões importantes.

Ele também criou comissões para estudar a história das mulheres diáconas nos primeiros séculos da Igreja Católica, respondendo aos apelos de mulheres para que pudessem assumir esse papel hoje. Os defensores de um diácono feminino esperam que isso leve a mulheres sacerdotes.

Os diáconos, como os sacerdotes, são ministros ordenados e, como no sacerdócio, devem ser homens na Igreja de hoje. Eles não podem celebrar missa, mas podem pregar, ensinar em nome da Igreja, batizar e dirigir cerimônias de casamento, velório e funeral e até dirigir uma paróquia com a permissão de um bispo.(com agência Reuters)