Itália estuda decretar lockdown no período do Natal e Ano Novo

A hipótese é implementar a faixa vermelha em toda a Itália, o que prevê regras que incluem o fechamento do comércio não essencial e proibição de sair de casa

Foto: Fasani Andrea
Credit...Foto: Fasani Andrea

O governo italiano estuda a possibilidade de classificar todas as regiões do país como zona vermelha de risco de transmissão do coronavírus Sars-CoV-2 no período em que são celebradas as festas de Natal e Ano Novo.

A medida, que ainda não foi confirmada, foi um dos temas debatidos nessa quarta-feira (16) durante cúpula entre as autoridades italianas.

A hipótese é implementar a faixa vermelha em toda a Itália, o que prevê regras que incluem o fechamento do comércio não essencial e proibição de sair de casa a não ser por motivos de trabalho ou urgentes, nos dias 24, 25, 26, 27 e 31 de dezembro e 1, 2 e 3 de janeiro de 2021.

Segundo fontes oficiais, a discussão ainda está "completamente aberta", porém, não está excluída que a área vermelha também se aplique no dia 6 de janeiro, data em que é celebrado o "Dia de Reis", chamado também de "Epifania do Senhor", ou que as regras da zona laranja sejam introduzidas para todo o período.

Caso a última possibilidade seja aprovada, as regiões terão que proibir deslocamentos interregionais e intermunicipais, a não ser por motivos de trabalho ou saúde. Nessas áreas, no entanto, é permitido sair de casa sem motivo, mas restaurantes também têm de suspender serviços de mesa.

As novas restrições, porém, estão provocando um impasse entre os representantes dos governos, já que o tema divide o debate.

"A Itália estabeleceu regras para si mesma, estabelecendo as zonas de risco amarela, laranja e vermelha. Acredito que com esse método devemos continuar. Acho que é certo ter cuidado onde o vírus está causando grandes danos e se houver necessidade de novos fechamentos. Mas acho que o princípio das zonas está certo, digo não às regras uniformes, temos de dar fôlego aos cidadãos", afirmou o governador da Ligúria, Giovanni Toti.

De acordo com o primeiro-ministro da Itália, Giuseppe Conte, o governo está "trabalhando para tentar reforçar o plano de Natal" para "chegar em uma condição de resiliência máxima".

"As medidas estão funcionando até agora, mas estamos preocupados - e até mesmo os especialistas - com as situações de confraternização dos últimos dias. Faremos algumas intervenções adicionais", antecipou o premiê.

Em entrevista à imprensa italiana, Conte ainda comentou sobre a vacinação contra a covid-19 e defendeu que "seria bom ter uma data única nos países europeus, uma espécie de 'Dia da Vacina'". "Espero que seja no início de janeiro, mas para ter um impacto na população é necessário atingir uma porcentagem suficiente de vacinados". (com agência Ansa)

O primeiro-ministro italiano espera que o país vacine entre 10 e 15 milhões de pessoas até o final da primavera na Europa.