Jornal do Brasil

Internacional

Merkel está "com boa saúde" e cumprirá mandato, diz chefe de gabinete

Jornal do Brasil

BERLIM (Reuters) - A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, está com boa saúde e determinada a cumprir a totalidade de seu mandato até 2021 em coalizão com seus aliados governistas do Partido Social Democrata (SPD), disse seu chefe de gabinete à Reuters nesta quarta-feira.

Merkel, que fez 65 anos nesta quarta-feira e ocupa o cargo desde 2005, sofreu tremores em cerimônias públicas nas últimas semanas que provocaram especulações sobre sua saúde, mas ela insistiu em dizer que "estou ótima".

Macaque in the trees
Para Angela Merkel, a China não pode acessar os dados de todos os produtos chineses (Foto: Kazuhiro Nogi/AFP)

O chefe da chancelaria, Helge Braun, enfatizou que Merkel se candidatou a um quarto mandato com a intenção de terminá-lo.

"Ela está com boa saúde", disse ele em uma entrevista na televisão, acrescentando que "é claro" que ela está em condição de cumprir o mandato, que deve durar até as eleições federais de outubro de 2021.

"Ela se candidatou a quatro anos no cargo, e as tarefas que enfrentamos tornam necessário que completemos este tempo no cargo."

Além das especulações sobre os episódios de tremores, o quarto mandato de Merkel está sendo assombrado por dúvidas a respeito da possibilidade de o SPD se retirar da tensa aliança com o governo, que muitos do partido de inclinação de esquerda querem abandonar.

No dia 26 de maio o SPD sofreu seu pior desempenho nacional em uma eleição europeia desde a volta da democracia, após a Segunda Guerra Mundial, o que levou seu líder a renunciar e voltou a mergulhar o partido em uma crise de identidade.

O final da coalizão ainda pode ser precipitado por eleições regionais em três Estados do leste no outono. Pesquisas mostram que o SPD deve se sair mal nas urnas.

Mas Braun acredita que o SPD continuará no governo com o bloco conservador de Merkel.

"Não acho que o SPD se retirará", disse, observando que o governo precisa lidar com a separação britânica da União Europeia e ajudar a moldar o futuro da Europa quando a Alemanha ocupar a presidência rotativa da UE em 2020.

"Não posso acreditar que um Volkspartei (partido popular) alemão dirá 'este é o momento de voltar atrás e cuidar de nós mesmos'", afirmou.

O SPD se opôs à indicação, aprovada pelos parlamentares europeus na terça-feira, de Ursula von der Leyen – uma aliada de Merkel – para presidente da Comissão Europeia.