Trump e Macron prestam homenagem a veteranos do Dia D que enfrentaram "fogo do inferno"

A França jamais esquecerá o sacrifício das tropas aliadas que a libertaram da Alemanha nazista, disse o presidente francês, Emmanuel Macron, nesta quinta-feira, o 75º aniversário da operação do Dia D que ajudou a encerrar a Segunda Guerra Mundial.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e a primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, se uniram a Macron em cerimônias separadas ao longo de um trecho de 80 quilômetros do litoral da Normandia, onde mais de 150 mil soldados chegaram no dia 6 de junho de 1944 sob uma tempestade de disparos dos alemães.

Macaque in the trees
Presidente dos EUA, Donald Trump, e presidente francês, Emmanuel Macron (Foto: REUTERS/Carlos Barria)

"Sabemos o que devemos a vocês, nossos veteranos: nossa liberdade. Em nome do meu país, quero dizer 'obrigado'", disse Macron a dezenas de combatentes norte-americanos do Dia D em um cemitério de guerra dos EUA com vista para a praia de Omaha, um dos cinco locais de pouso da Normandia.

"A França nunca esquecerá", acrescentou.

Macron concedeu a Legião de Honra, a maior honra ao mérito de seu país, a cinco veteranos norte-americanos e abraçou todos calorosamente.

A invasão da Normandia foi planejada durante meses e mantida em segredo de Hitler e suas forças, apesar de uma enorme mobilização industrial e de mão de obra transatlântica.

Milhares de soldados paraquedistas aliados aproveitaram a escuridão da noite para saltar por trás das defesas costeiras alemãs. Ao raiar do dia, navios de guerra bombardearam posições alemãs e em seguida centenas de lanchas de desembarque despejaram as tropas de infantaria sob uma tempestade de tiros de metralhadora e de artilharia.

Alguns veteranos dizem que o mar e a areia ficaram vermelhos de sangue durante a operação. Dezenas de soldados norte-americanos foram abatidos por metralhadoras alemãs ao escalar os rochedos que se elevam da praia de Omaha rumo a Colleville-sur-Mer, onde se localiza o cemitério dos EUA.

"Vocês estão entre os maiores americanos que viverão", disse Trump em seu discurso, voltando-se aos veteranos sobreviventes. "Vocês são o orgulho da nação, vocês são a glória de nossa república, e agradecemos a vocês do fundo dos nossos corações".

"Estes homens atravessaram o fogo do inferno", afirmou.

A invasão continua sendo o maior ataque anfíbio da história e abriu caminho para a libertação da Europa Ocidental.

Ao inaugurar um memorial para os 22 mil soldados sob comando britânico que morreram no Dia D e na batalha subsequente pela Normandia, May saudou a bravura dos soldados, muitos dos quais ainda eram meninos.