Guaidó pede para funcionários públicos participarem de movimento contra Maduro

O líder opositor venezuelano Juan Guaidó voltou a defender nesta quarta a tática adotada por ele contra o ditador Nicolás Maduro e pediu o início de um movimento que culmine com uma greve geral no país.

"Nesta fase de nossa luta, não há retorno para as ruas e os protestos já que estamos próximos de conquistar nossos objetivos", escreveu ele em uma rede social.

Ele disse que após receber apoio de militares na terça, a oposição agora conta com a participação de funcionários públicos.

"A partir de amanhã, todos os funcionários públicos e de serviços estratégicos devem ocupar seus espaços de trabalho para reclamar da usurpação", afirmou ele, que costuma chamar Maduro de usurpador.

Guaidó pediu que esses funcionários usem a bandeira da Venezuela ou um pano azul na roupa (que simboliza o apoia à oposição). Segundo ele, essas ações localizadas devem continuar crescendo até ser possível uma greve geral no país.

Mais cedo em discurso em Caracas, ele já tinha prometido seguir com ações diárias até a queda de Maduro, mas sem especificar quais seriam.