Papa inicia viagem à Romênia e defende 'inclusão' de pobres

Francisco visitará o país entre 31 de maio e 02 de junho

O papa Francisco iniciou na manhã desta sexta-feira (31) sua viagem apostólica de três dias à Romênia, país de maioria ortodoxa, onde, em seu primeiro discurso, defendeu a inclusão dos menos favorecidos.

Falando às autoridades romenas, Jorge Bergoglio ressaltou a necessidade de "construir uma sociedade inclusiva, onde os mais fracos, os mais pobres e os menos favorecidos não sejam vistos como indesejados, como obstáculos que impedem a 'máquina' de caminhar, mas como cidadãos para serem totalmente inseridos na vida civil".

Francisco desembarcou no aeroporto de Bucareste nesta manhã e foi recebido pelo presidente romeno, Klaus Iohannis. Após a recepção oficial, os líderes participaram da cerimônia de boas-vindas no Palácio Presidencial.

Em seguida, ambos se reuniram com a primeira-ministra do país, Vasilica Viorica Dancila, outros representantes do governo e da sociedade civil.

Em seu primeiro discurso, o Papa ainda falou sobre o fenômeno migratório "que envolveu vários milhões de pessoas que deixaram suas casas e lares para buscar novas oportunidades de emprego e uma vida decente".

"Presto homenagem aos sacrifícios de tantos filhos e filhas da Romênia que, com sua cultura, sua herança de valores e seu trabalho, enriquecem os países em que emigraram e com o fruto de seu compromisso ajudam suas famílias a permanecerem na pátria", ressaltou. O líder da Igreja Católica também ressaltou que "quanto mais uma sociedade leva a sério o destino dos mais desfavorecidos, mais ela pode ser considerada verdadeiramente civil". "A mais nobre vocação a que um Estado deve aspirar é tomar conta do bem comum de seu povo", acrescentou.

A viagem será um novo passo no diálogo com os ortodoxos, além de ser uma forma do Pontífice demonstrar sua proximidade com o povo cigano. No país, ele irá beatificar sete bispos mártires grego-católicos, vítimas da repressão comunista. Hoje, Francisco fará uma oração na Catedral Ortodoxa e, em seguida, visitará a Catedral Católica de San Giuseppe, onde celebrará uma missa. O primeiro dia de sua viagem será encerrado com um encontro privado com jesuítas presentes no país.