Jovem que alegava ser menor desaparecido é desmascarado por FBI

O FBI desmentiu nesta quinta-feira as afirmações de um jovem americano que afirmava ser Timmothy Pitzen, um menino desaparecido em 2011 após o suicídio de sua mãe.

"Os resultados dos testes de DNA revelaram que a pessoa em questão não é Timmothy Pitzen", informou o FBI, destacando que a investigação prossegue.

Na quarta-feira, um jovem que vagava pelas ruas de uma cidade do Kentucky (centro) disse à polícia que era Timmothy Pitzen, um menor que tinha seis anos quando desapareceu.

O jovem explicou que vinha do vizinho estado de Ohio, onde havia escapado de dois homens que o mantinham retido em um motel.

Mas segundo a ABC News, que cita a polícia, o jovem é na realidade Brian Michael Rini, de 23 anos.

Pitzen, oriundo de Aurora (Illinois), foi visto pela última vez com a sua mãe em maio de 2011, em um parque aquático do Wisconsin, situado cerca de 300 km ao norte de sua casa, segundo a ONG Centro Nacional para Crianças Desaparecidas.

O menino, nascido em 18 de outubro de 2004, estava em uma viagem de passeio com sua mãe, Amy Fry-Pitzen, que foi encontrada morta em um motel de Rockford (Illinois). Ao lado do corpo havia uma carta dizendo que a criança "estava segura com pessoas que a amariam e cuidariam dele", segundo a rede CNN.