Pence pede 'libertação imediata' de funcionários da Citgo presos na Venezuela

O vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, pediu nesta terça-feira ao governo de Nicolás Maduro a "libertação imediata" de seis funcionários da petroleira Citgo, que estão presos na Venezuela há mais de um ano.

"Pedimos ao regime de Maduro para libertá-los imediatamente", bem como "todos os presos políticos", disse Pence ao receber na Casa Branca parentes dos detidos que trabalham para a Citgo, subsidiária da estatal venezuelana PDVSA.

Macaque in the trees
Vice-presidente do EUA, Mike Pence. (Foto: Marcelo Camargo | Agência Brasil)

"Essas seis pessoas, cinco das quais são norte-americanas e uma residente legal permanente, foram detidas ilegalmente desde novembro de 2017", disse Pence, observando que todas as tentativas de seus parentes de vê-las foram negadas e que "16 audiências judiciais "sobre o caso deles foram canceladas.

O governo de Donald Trump fará tudo o que estiver ao seu alcance para garantir sua libertação, prometeu Pence, que, no entanto, enfatizou que "nada disso acontecerá" enquanto Maduro permanecer no poder.

"Continuamos a exercer pressão econômica sobre o regime. Defendemos o princípio de que, para que a democracia seja restaurada, para que o Estado de direito seja restaurado, Nicolás Maduro deve partir", disse.

"E, portanto, não só pedimos ao regime que liberte seus entes queridos, nós pedimos a este regime que liberte o povo venezuelano que sofre de ditadura e privação".

Washington responsabilizou o governo Maduro há 10 dias pela integridade de todos os americanos detidos na Venezuela, incluindo os seis funcionários da Citgo.

 

bur-ad/rsr/cc