Jornal do Brasil

Internacional

Gigantesco protesto contra Buteflika toma conta da Argélia

Jornal do Brasil

Uma multidão impressionante se manifestou nesta sexta-feira no centro de Argel contra a extensão do mandato do presidente Abdelaziz Buteflika, que adiou esta semana as eleições presidenciais marcadas para o final de abril.

Esta foi a quarta sexta-feira consecutiva de manifestações contra o presidente de 82 anos.

Macaque in the trees
Manifestações contra reeleição do atual presidente na Argélia (Foto: AFP)

Foi difícil estabelecer o número aproximado de manifestantes, já que nem as autoridades nem os manifestantes forneceram números.

A mobilização pareceu ser similar em número de manifestantes ao da última sexta-feira, estimada excepcionalmente pela imprensa e analistas argelinos.

Como em Argel, houve uma forte mobilização em Oran e Constantine, segundo jornalistas da imprensa argelina na área.

No centro de Argel ocorreram confrontos localizados entre a polícia e grupos de jovens, que atiraram pedras contra os agentes que protegiam a avenida que dá acesso à sede da presidência da República.

Os confrontos deixaram feridos, constatou a AFP, enquanto a polícia informou a detenção de 75 pessoas por "fatos violentos, roubo e depredação de veículos e bens públicos e privados".

Buteflika, fragilizado pelas consequências de um derrame que sofreu em 2013, o que torna suas aparições públicas muito escassas, enfrenta um protesto maciço, nunca visto desde a sua eleição como presidente há 20 anos.

O presidente respondeu às queixas retirando sua candidatura para um quinto mandato e suspendendo as eleições presidenciais marcadas para 18 de abril até depois de uma Conferência Nacional que deve reformar o país e preparar uma nova Constituição.

Este anúncio realmente estende seu mandato, além de 28 de abril, quando chegou ao fim.

"Queríamos eleições sem 'Butef' e agora temos Buteflika sem eleições!", afirmava um cartaz em Argel, resumindo o sentimento dos manifestantes desde o anúncio do presidente.

Na terça e quarta-feira, estudantes universitários, bem como professores e alunos do ensino médio demonstraramque achavam que a mensagem das ruas não estava sendo ouvida.

Durante toda a semana, as convocações para demonstrações, pela quarta sexta-feira consecutiva, foram compartilhadas nas redes sociais, com hastags "#partiu_todos", "#Fora".

Na terça-feira, o logotipo inicial das manifestações que começaram em 22 de fevereiro - um "5" dentro de um círculo e riscado em vermelho - se tornou um "4" para protestar contra a extensão do quarto mandato.

El martes y el miércoles estudiantes y universitarios, así como maestros y alumnos de secundaria se manifestaron para hacer saber claramente que estimaban que el mensaje de la calle no fue escuchado.

Durante toda la semana los llamados a manifestarse masivamente por cuarto viernes consecutivo fueron compartidos en las redes sociales, con palabras clave explícitas: "#partirán_todos", "#Fuera".

La conferencia de prensa conjunta del jueves del nuevo primer ministro Nuredin Bedui -que reemplazó el lunes al impopular Ahmed Uyahia- y del viceprimer ministro Ramtan Lamamra no convenció. En vez de sosegar a los manifestantes pareció reforzar el movimiento de protesta.

"Escuchamos el mensaje de la juventud argelina" y "las reivindicaciones de la calle" fijarán el rumbo del futuro gobierno, cuya composición será anunciada la próxima semana, aseguró Bedui.

Bedui justificó el aplazamiento de la elección presidencial y la prórroga del mandato del presidente por plazo indefinido por "la voluntad del pueblo", una decisión considerada ilegal o inconstitucional por numerosos observadores.

"'¡Váyanse!'" tituló el viernes el periódico El Watan, que retoma una reivindicación de los manifestantes y cree que Bedui "evitó las verdaderas preguntas" durante su comparecencia ante la prensa.

ad-ayv/all/pa/al