Mourão quer medida pacífica para derrubar Maduro

Vice-presidente do Brasil disse que a hora é de solidariedade latino-americana

O vice-presidente do Brasil, Hamilton Mourão, disse nesta segunda-feira (25), durante reunião do Grupo de Lima, na Colômbia, que o governo de Jair Bolsonaro aposta em uma "saída sem qualquer medida extrema" para conter a crise na Venezuela.


"O Brasil acredita firmemente que é possível devolver a Venezuela ao convívio democrático das Américas sem qualquer medida extrema que nos confunda com aquelas nações que serão julgadas pela história como agressoras, invasoras e violadoras das soberanias nacionais", disse.

Macaque in the trees
General Hamilton Mourão (Foto: Valter Campanato/Agência Brasil)

Regime Maduro

Segundo Mourão, de acordo com o contexto atual, não será possível que a Venezuela consiga "se livrar sozinha do regime Maduro". Para ele, a alteração no poder só acontecerá com a ajuda da comunidade internacional. "À luz dos acontecimentos acumulados há mais de uma década, sabemos que a Venezuela não vai conseguir se libertar sozinha da opressão do regime chavista. A hora é de solidariedade latino-americana", ressaltou. O vice de Bolsonaro ainda sugeriu uma pressão maior sobre Caracas, principalmente por parte de organismos internacionais, como a ONU e OEA.


Por fim, Mourão acusou representantes do governo Maduro de envolvimento com crimes transnacionais e destacou que o líder chavista tem patrocinado uma corrida armamentista nos últimos anos.