Democratas acusam Donald Trump de armar golpe para construção de muro na fronteira

WASHINGTON - Depois do presidente americano Donald Trump anunciar que vai declarar Estado de Emergência Nacional para a construção de barreiras na fronteira com o México, o que segundo impedira a entrada "criminosos" no país, os democratas ergueram sua voz e afirmaram que o republicano armava uma manobra inconstitucional.

Em comunicado conjunto, os líderes do Partido Democrata da Câmara e do Senado condenaram a ação do presidente. "A declaração ilegal de Donald Trump sobre uma crise que não existe é uma grande violência à nossa Constituição. Isto é claramente uma tomada de poder por um presidente decepcionado, que extrapolou os limites da lei para tentar obter o que não conseguiu no processo legislativo constitucional. As ações claramente violam os poderes exclusivos do Congresso sobre o orçamento", disseram a presidente da Câmara, Nancy Pelosi, e o líder da minoria no Senado, Chuck Schumer.

Macaque in the trees
Imigrantes centro-americanos à espera de visto humanitário em abrigo em Piedras Negras, perto da fronteira do México com os EUA (Foto: Julio Cesar Aguilar/AFP)

Os democratas também fizeram um apelo aos republicanos para ajudar a frear os planos de Trump: "A questão transcende partidarismos e vai no coração da concepção dos fundadores da América, que define que o Congresso deve limitar um Executivo exacerbado. Convidamos nossos colegas republicanos a se juntarem a nós em defesa da Constituição. O presidente não está acima da lei e o Congresso não pode deixá-lo rasgar a Constituição".

Legisladores governistas, como o senador Marco Rubio - terceiro colocado nas prévias presidenciais do Partido Republicano de 2016 -, já deram sinais de insatisfação. "Nós temos uma crise na fonteira Sul, mas nenhuma crise justifica que se viole a Constituição. Hoje a emergência nacional é decretada por segurança fronteiriça, mas um futuro presidente pode usar a mesma tática para impôr um New Deal Verde. Vou esperar para ver em qual poder estatutário ou constitucional o presidente se baseia para justificar tal declaração antes de tomar uma posição definitiva. Mas eu sou cético de que será algo que eu possa apoiar", afirmou.

Estado de Emergência Verde

A deputada governista Cathy McMorris Rodgers também discordou de Trump por estar preocupada com a questão do New Deal. "Se eleitos presidentes, Elizabeth Warren ou Bernie Sanders usariam esse precedente para uma declaração de desastre nacional para forçar o New Deal Verde sobre o povo americano?", publicou em seu Twitter.

Sanders e Warren, atualmente senadores, são dois fortes pré-candidatos presidenciais do Partido Democrata e se afirmam como candidatos de esquerda. Ambos criticaram a declaração de Trump nas redes sociais. "Donald Trump pode não gostar, mas não somos um país autoritário. Temos uma constituição e separação de poderes. Não há nenhuma 'emergência nacional', e Trump não pode construir seu muro sem aprovação do Congresso", tuitou Sanders.

Em meio à polêmica, o deputado democrata Earl Blumenauer protocolou no Congresso uma resolução que declara Estado de Emergência pelas mudanças climáticas. "Se Donald Trump quer começar declarando emergências nacionais por crises falsas, o Congresso deve focar nas reais, começando pela mudança climática", disse.

Blumenauer é um dos principais defensores do New Deal Verde, o temor de muitos republicanos. O projeto teve sua tramitação iniciada no Congresso esse mês e prevê uma transição para uma economia sustentável. Uma das co-autoras da proposta, a deputada Nita Lowey saiu em defesa do plano verde: "O Green New Deal fará a transição dos EUA para uma matriz econômica sustentável que amplia a segurança financeira para todos os americanos, especialmente os mais vulneráveis, e promove a saúde e a segurança".

As críticas ao Estado de Emergência devem levar os americanos às ruas. A hashtag #FakeTrumpEmergency ganhou as redes sociais e manifestações já foram convocadas.