Trump vai declarar Estado de Emergência para construir muro na fronteira

WASHIGTON - A Casa Branca confirmou ontem que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, vai declarar Estado de Emergência Nacional para conseguir os recursos necessários para a construção de um muro na fronteira com o México, uma de suas principais promessas de campanha. A medida foi anunciada pelos republicanos no Senado e confirmada pelo governo.

No plenário do Senado, ao votar a favor do projeto de orçamento proposto após consenso bipartidário, o Líder da Maioria, o republicano Mitch McConnell, disse que Donald Trump vai acatar a lei orçamentária, porém vai anunciar um Estado de Emergência no país. "O presidente indicou que está preparado para assinar a lei. Ao mesmo tempo, ele estará emitindo uma declaração de emergência nacional", afirmou o parlamentar.

Macaque in the trees
Donald Trump em comício em El Paso (Foto: Joe Raedle/Getty/AFP)

O senador, que já havia se manifestado contra a possibilidade de Trump emitir tal declaração, disse ontem que irá apoiar o mandatário. "Eu indiquei a ele que vou apoiar a declaração. Então, eu digo a todos os meus colegas: o presidente assinará o orçamento", afirmou.

A porta-voz da Casa Branca, Sarah Sanders, confirmou o anúncio feito pelo senador. "O presidente Trump assinará a lei de financiamento do governo e, como já havia dito, também tomará outras medidas executivas - incluindo uma emergência nacional - para garantir que paremos a crise humanitária na fronteira", disse.

A aprovação no Senado veio logo após a garantia dada pelo líder do governo de que Trump assinará a lei orçamentária, aprovada com uma ampla margem - 83 votos a favor e 16 contra. O projeto, então, foi encaminhado para a Câmara de Representantes, comandada pelos democratas.

A decisão descarta a possibilidade de Trump tentar redirecionar recursos federais de outras áreas para o muro, já que ele deve usar do Estado de Emergência para conseguir um orçamento extraordinário para a construção. O projeto aprovado no Senado foi acordado entre republicanos e democratas para evitar a volta do "shutdown" e inclui US$ 1,375 bilhão para 88 quilômetros de novas cercas ao longo da fronteira no Texas - bem menos que os US$ 5,7 bilhões que Trump exigia para levantar 376 quilômetros de muros de aço.

A presidente da Câmara, a democrata Nancy Pelosi, crê que "não é uma emergência o que está acontecendo na fronteira". "Declarar uma emergência nacional seria um abuso grosseiro de poder. O presidente não conseguiu convencer o México, o povo americano ou seus representantes eleitos para pagar por sua parede ineficaz e cara, então agora ele tenta driblar o Congresso em uma tentativa desesperada de colocar os contribuintes na conta dele", publicou no Twitter.

Caso opte mesmo pelo Estado de Emergência, essa seria a quarta vez que Trump decretaria a medida. Barack Obama e Geoge W. Bush usaram, respectivamente, 13 e 12 vezes para casos como a epidemia de gripe H1N1 (gripe suína) e o atentado contra as Torres Gêmeas.