Presidente turco se queixa de silêncio dos EUA sobre homicídio de Khashoggi

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, criticou neste domingo (3) o "silêncio" dos Estados Unidos em relação ao assassinato do jornalista saudita Jamal Khashoggi, executado no consulado de seu país em Istambul.

"Não consigo entender o silêncio dos Estados Unidos (...) Queremos que seja totalmente esclarecido (o assassinato), porque isso é uma atrocidade", disse Erdogan durante uma entrevista ao canal de televisão estatal TRT.

Macaque in the trees
Presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan. (Foto: Adem Altan | AFP)

"O homicídio de Khashoggi não é um crime comum", assinalou o presidente turco.

Khashoggi, colaborador do Washington Post e crítico da monarquia saudita, foi assassinado dentro do consulado saudita em Istambul em 2 de outubro de 2018.

O jornalista havia pedido uma entrevista no consulado para obter os documentos necessários para seu casamento, e o homicídio foi cometido por uma equipe de 15 pessoas saídas de Riad, que o aguardava dentro da delegação consular, segundo o governo turco.

Em princípio, Riad negou o crime. Atualmente, 11 pessoas, cujas identidades não foram reveladas, estão sendo julgadas na Arábia por seu envolvimento.