Única resposta do governo Maduro é repressão e perseguição, diz Guaidó

O autodeclarado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, rebateu nesta terça-feira pelo Twitter a ação do procurador-geral do país, Tarek William Saab, que pediu a proibição de saída do deputado do país. "A única resposta é a repressão, perseguição. Vemos com muita dor como quase 40 venezuelanos foram assassinados em menos de uma semana, crianças sequestradas por um regime que não entende que terminou seu tempo", afirmou Guaidó, de acordo com o Twitter da Assembleia Nacional.

Macaque in the trees
The president of Venezuela's opposition-led National Assembly Juan Guaido speaks to the crowd during an extraordinary open meeting in front of the headquarters of the United Nations Development Programme (UNDP) in Caracas on January 11, 2019. - Venezuelan President Nicolas Maduro began a new term on Thursday, with the economy in ruins and his regime more isolated than ever as regional leaders declared his re-election illegitimate and shunned his inauguration. (Photo by Yuri CORTEZ / AFP) (Foto: AFP)

Guaidó é presidente da Assembleia Nacional e neste mês se proclamou presidente interino para acabar com o regime "usurpador" de Nicolás Maduro. Saab, por sua vez, pediu ao Tribunal Supremo venezuelano que impeça sua saída do país, além de congelar ativos do deputado. Guaidó afirmou que a ação do procurador é "uma ameaça à minha pessoa, ao Parlamento e à presidência interina da República".