Cientista ajudou Estado Islâmico a fazer armas químicas

O cientista iraquiano Suleiman al-Afari admitiu que, após o Estado Islâmico tomar o controle da cidade de Mossul, em 2014, foi contratado pelo grupo terrorista para trabalhar no desenvolvimento de gás mostarda, como parte do esforço ambicioso do EI de criar armas e sistemas de defesa e aterrorizar seus rivais.

Afari, de 52 anos, que está preso e foi condenado à morte, é um dos poucos participantes do programa de armas químicas do grupo terrorista que foi capturado vivo. (Com agências)

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

 

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais