Ultradireita chegará ao poder no Brasil nos 60 anos da Revolução Cubana

É mera coincidência, mas não passa despercebido: quando Cuba comemorar os 60 anos de sua revolução, que inspirou a esquerda em todo o continente, em 1º de janeiro de 2019, o Brasil verá o ultradireitista Jair Bolsonaro assumir a Presidência.

Estaria a América Latina diante de uma curva à direita?

Pela primeira vez desde 1º de janeiro de 1959, quando guerrilheiros derrubaram o ditador Fulgencio Batista, não haverá um Castro em Cuba como chefe visível do governo revolucionário.

Os movimentos de guerrilha em toda a América Latina se basearam na ideologia de Fidel Castro nas décadas de 1960 e 1970. Mais recentemente, a revolução cubana foi uma referência para Hugo Chávez na Venezuela, Evo Morales na Bolívia e Rafael Correa no Equador. E nessas seis décadas, o modelo comunista cubano esteve sempre presente na discussão política latino-americana.

Jair Bolsonaro, um militar da reserva, defensor da ditadura, conquistou o cargo ao derrotar Fernando Haddad, candidato do Partido dos Trabalhadores (PT) que governou por 12 anos no Brasil.

Cuba e Venezuela estiveram presentes de forma sistemática no discurso pré-eleitoral de Bolsonaro, para quem esses dois países sintetizam tudo o que não quer para o Brasil.

Ex-presidentes e analistas detectam um descontentamento mais ou menos difundido com partidos e políticos de todas as ideologias, e quando os cidadãos votam, eles pedem uma mudança.

"Eu seria mais cuidadoso ao dizer que há uma guinada para a direita" na América Latina, disse o ex-presidente social-democrata do Chile, Ricardo Lagos, em entrevista à AFP.

Existe um "descontentamento com uma situação em que a cidadania está mais consciente, exige. Com as redes sociais, há uma sensação de que a política é horizontal", refletiu.

O resultado? "As pessoas votaram pelo oposto. O que está acontecendo com o novo populismo de direita não é mais do que um tédio com os setores social-democrata ou democrata-cristão que estiveram no poder por muito tempo", disse Lagos, presidente entre 2000 e 2006.

No Brasil, "o povo não votou em Bolsonaro, mas votou contra o PT e outros partidos que haviam governado antes", acrescentou.

A análise de Julio Maria Sanguinetti, duas vezes presidente do Uruguai (1985-1990 e 1995-2000), segue a mesma linha.

"Bolsonaro não é uma expressão de fé em seu programa, ele simplesmente foi o catalisador de uma rejeição à corrupção política e à insegurança que causou 63.000 mortes no ano passado (no Brasil), mais do que os Estados Unidos perderam em 10 anos no Vietnã", disse ele.

"Seus primeiros passos são realistas, eles não se ajustam a muitas declarações preocupantes e abrem uma expectativa. Por agora não há nada mais que isso, expectativa", concluiu ele em comunicado enviado à AFP.

Para Michael Shifter, presidente do Inter-American Dialogue, em Washington, "a questão da esquerda e da direita é secundária porque, no caso do Brasil, em particular, havia um grande sentimento anti-PT".

"O fato de que o experimento falhou em Cuba e na Venezuela - não há palavras para descrever a magnitude do desastre naquele país - (...) afeta de alguma forma, mas o principal é simplesmente uma grande frustração e raiva com o partidos e políticos tradicionais ", concluiu.

Shifter comparou a vitória de Bolsonaro no Brasil com a de Alberto Fujimori no Peru em 1990 e a vitória de Chávez na Venezuela em 1998: o sentimento do eleitor é que "a classe política falhou (...) não obteve resultados" e produz uma "rejeição de governos que não cumprem seus compromissos".

Os cidadãos "estão buscando alternativas", resumiu.

Para Shifter, enquanto Cuba é hoje apenas uma referência histórica e ideológica, "a Venezuela está muito mais presente devido à crise migratória".

"Meu sentimento é que o que temos é um quadro politicamente diferente, porque a globalização traz vencedores e perdedores", disse Lagos, para quem a política está passando por um momento de mudança.

"Eu acho que (os governantes) ainda estão se preparando para responder às perguntas que existiram ontem, mas as novas condições mudam as questões, e nós temos as respostas para as perguntas antes", concluiu.