Jornal do Brasil

Internacional

Segundo canadense declarado desaparecido na China

Jornal do Brasil

Um segundo canadense, Michael Spavor, foi declarado desaparecido na China, país em que estava sendo interrogado pelas autoridades, anunciou à AFP nesta quinta-feira o porta-voz do ministério canadense das Relações Exteriores Guillaume Berube.

"Estamos trabalhando duro para averiguar seu paradeiro", disse Berube à AFP, em referência a Spavor, que residia na China.

"Este canadense nos contactou porque foi interrogado pelas autoridades chinesas", declarou a ministra canadense das Relações Exteriores, Chrystia Freeland, em entrevista coletiva em Ottawa.

"Não conseguimos manter contato com ele desde que nos avisou (do interrogatório). Trabalhamos para determinar onde se encontra e levamos esta questão às autoridades chinesas".

Segundo o jornal canadense Globe and Mail, Michael Spavor administra uma agência de viagens especializada na Coreia do Norte e ficou conhecido ao ajudar o jogador de basquete americano Dennis Rodman a conhecer o líder norte-coreano, Kim Jong Un.

De acordo com a imprensa estatal chinesa, o canadense é objeto de uma investigação por "atividades que ameaçam a segurança nacional".

Uma publicação vinculada às autoridades da província de Liaoning, onde Michel Spavor mora, o canadense foi investigado pelo escritório do ministério de Segurança do Estado em Dandong (província de Liaoning, na fronteira com a Coreia do Norte) em 10 de dezembro.

Na terça-feira, Ottawa confirmou a detenção na China de outro canadense, Michael Kovrig, ex-diplomata que trabalha em Hong Kong para o centro de análises International Crisis Group (ICG).

Kovrig é um especialista em nordeste asiático que foi diplomata em Pequim, Hong Kong e na ONU, e desde fevereiro de 2017 trabalhava em tempo integral para o ICG.

A detenção de Kovrig coincidiu com as ameaças de represália de Pequim ao Canadá pela prisão naquele país, a pedido dos Estados Unidos, de Meng Wanzhou, diretora financeira do grupo de telecomunicações chinês Huawei.

Meng, solta sob fiança, é acusada pela Justiça americana de mentir sobre o uso de uma subsidiária para fazer negócios com o Irã, o que viola as sanções de Washington a Teerã.

Pequim justificou a detenção de Kovrig alegando que o ICG é uma "organização não legalmente registrada na China e não declarou suas atividades". "Por conseguinte, se fazia atividades em território chinês, estava violando a lei".

Uma lei adotada em 2016 pelo Parlamento chinês obriga as ONGs estrangeiras a declararem, previamente, suas atividades na China e a passarem por um complexo processo de registro.

Eventualmente, os jornais oficiais chineses definem as ONGs estrangeiras como uma cobertura para espionagem.

lth/lr/fp