Premier diz que prisão de ucranianos é ato bárbaro

Volodymyir Groisman acusa Moscou de autoritarismo

O primeiro-ministro ucraniano, Volodymyir Groisman, afirmou nesta quarta-feira (28) que a prisão de 24 marinheiros do país pela Rússia no Mar de Azov é um "ato bárbaro".
"Condenamos este ato bárbaro e multiplicamos nosso esforços para trazer de volta para casa nossos rapazes", escreveu o político, em sua conta no Twitter. "É um ultraje típico de regimes autoritários", acrescentou