May viaja a Bruxelas para reta final da negociação do Brexit

A primeira-ministra britânica, Theresa May, em meio à batalha para aprovar o acordo de separação com a União Europeia (UE), chegou nesta quarta-feira a Bruxelas para a reta final da negociações, a cerca de quatro meses do Brexit.

Antes de viajar para a capital belga, May disse ao seu Parlamento que um voto negativo a um acordo sobre o Brexit poderia significar um divórcio com "mais incerteza, mais divisão", ou que a Grã-Bretanha poderia acabar continuando na UE, com seus 27 parceiros.

May emitiu um alerta para o setor eurocético do seu Partido Conservador, que expressou consternação na quarta-feira passada sobre a solução encontrada entre Londres e Bruxelas no acordo de divórcio para evitar uma fronteira na ilha da Irlanda.

O projeto de Acordo de Retirada, que encontrou nos últimos dias um novo obstáculo às pretensões espanholas sobre Gibraltar, será "aprovado apesar do que se diz", afirmou nesta manhã, a ministra britânica do Trabalho, Amber Rudd.

A mandatária se reunirá na sede da Comissão Europeia com o seu presidente, Jean-Claude Juncker, para um "chá da tarde", nas palavras da porta-voz deste último, Margaritis Schinas.

Os dois líderes vão dialogar sobre a declaração política que deve determinar o futuro relacionamento em ambos os lados do Canal da Mancha, um documento em discussão e que, se encerrado, concluirá 17 meses de negociações.

Macaque in the trees
Theresa May (Foto: Reprodução)

Este documento não vinculativo acompanhará o acordo de separação entre a UE e o Reino Unido após mais de quatro décadas de adesão e estabelecerá as principais linhas de um eventual acordo de livre-comércio que ambas as partes começarão a negociar após o Brexit.

A saída dos britânicos está prevista para 29 de março. Contudo, a ruptura definitiva se daria após um período de transição previsto inicialmente até 31 de dezembro de 2020.

Durante este período, em que o Reino Unido continuará na união aduaneira e no mercado único europeu e respeitará as regras da UE, sem direito de fala ou voto, Londres e Bruxelas devem encerrar os seus futuros acordos comerciais, políticos e de segurança.

Uma das incógnitas sobre o futuro é até que data esse período transitório pode ser estendido. O negociador europeu, Michel Barnier, estava aberto à possibilidade de ampliá-lo por mais dois anos, segundo fontes europeias.

Outra questão em aberto, que deve aparecer refletida na declaração política sobre a futura relação, é como tentar garantir o acesso da frota de pesca europeia às águas territoriais do Reino Unido ao final do período de transição.

Depois de resolver a questão irlandesa, com a criação de um "território aduaneiro único" entre a Grã-Bretanha e a UE enquanto uma solução melhor não for alcançada, Gibraltar tornou-se um último empecilho.

O primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, ameaçou não apoiar o acordo de divórcio na cúpula extraordinária agendada no domingo, em Bruxelas, para formalizá-lo, caso o texto não garanta claramente o direito de veto da Espanha sobre Gibraltar.

tjc/jz/ll/cc