Rede de tráfico com pilotos brasileiros e venezuelanos é desmantelada na Colômbia

Uma rede que enviava cocaína na Colômbia para os Estados Unidos e a Europa em aviões leves pilotados por brasileiros e venezuelanos foi desmantelada após um ano de investigações, informou a polícia local nesta terça-feira (20).

Na operação, foram confiscadas 20 toneladas de alcaloide e oito aeronaves, segundo as autoridades. Vinte e cinco colombianos foram presos em Bogotá e na fronteira com a Venezuela, mas nenhum piloto foi detido.

A organização era liderada por "Olinto", como é chamado um ex-membro do grupo guerrilheiro dissolvido Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), e seu irmão.

Eles enviavam as drogas da região fronteiriça de Catatumbo para pistas clandestinas no estado de Zulia, na Venezuela.

De lá, coordenavam o transporte da cocaína para Honduras e Guatemala, onde o carregamento era recebido por cidadãos desses países, ligados aos cartéis mexicanos de Sinaloa e Nueva Generación.

Por fim, as drogas eram enviadas aos Estados Unidos, à Alemanha e à Holanda. Os criminosos colombianos recebiam seu pagamento em casas de câmbio da cidade fronteiriça de Cúcuta, explicou a polícia.

Segundo as autoridades, a organização tinha uma "relação próxima" do Exército de Libertação Nacional (ELN) na Colômbia.

Depois do acordo que desarmou as Farc no ano passado, o ELN é a última guerrilha reconhecida na Colômbia. Os diálogos de paz com o governo estão suspensos.

lv/vel/llu/ll