Jornal do Brasil

Internacional

Ataques da coalizão contra EI na Síria provocam 38 mortes

Jornal do Brasil

Ao menos 38 pessoas, principalmente familiares de combatentes do grupo Estado Islâmico (EI), entre eles treze crianças, foram mortas em ataques aéreos no leste da Síria atribuídos à coalizão internacional anti-extremista, informou uma ONG nesta terça-feira (13).

Os ataques se concentraram no domingo no último reduto extremista perto da fronteira iraquiana.

Nesta região, a coalizão impulsionada por Washington intervém em apoio aos combatentes curdos e árabes das Forças Democráticas Sírias (FDS) que realizam a ofensiva terrestre.

"Foram encontrados ao menos 38 corpos, dos quais 32 pertencem a familiares de membros do Estado Islâmico", disse à AFP o diretor do Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH), Rami Abdel Rahman, acrescentando que há 13 crianças entre as vítimas.

"Os ataques aéreos foram dirigidos contra a localidade de Al Shaafa", sob o controle dos jihadistas.

Desde quinta-feira, os ataques da coalizão causaram 72 mortes, destas a de 31 crianças, familiares de membros da EI, segundo o OSDH.

No domingo, depois de uma trégua de 10 dias, as Forças Democráticas Sírias anunciaram a retomada da sua ofensiva contra o reduto extremista das localidades de Hajin, Sussa e Al-Shaafa.

O cessar-fogo unilateral havia sido decidido após os bombardeios turcos sobre posições militares curdas no norte da Síria.

A guerra na Síria, que começou em 2011 com a repressão do regime de Bashar al Assad a manifestações pacíficas contra o governo, se alastrou pelo país, envolvendo grupos jihadistas em um território cada vez mais dividido.

Desde então, já deixou mais de 360 mil mortos e milhões de deslocados e refugiados.

lar/tgg/on/gk/sr/mb/cb