Jornal do Brasil

Internacional

Turquia compartilha informações sobre assassinato de jornalista saudita com a CIA

Jornal do Brasil

A Turquia compartilhou com a diretora da Agência Central de Inteligência (CIA) americana as informações obtidas no âmbito da investigação do assassinato do jornalista saudita Jamal Khashoggi, afirma o jornal turco Sabah.

De acordo com a publicação, ligada ao governo e uma das principais as revelar os "vazamentos" sobre a investigação desde o início do caso, o Serviço de Inteligência Turcos (MIT) "informou Gina Haspel sobre as provas vinculadas" ao assassinato do jornalista.

Gina Haspel, que comanda a CIA desde abril, chegou em Istambul na terça-feira.

O jornal afirma que o MIT exibiu à diretora da CIA alguns vídeos e disponibilizou gravações de áudio. Também compartilhou "os elementos obtidos durante a operação de busca no consulado geral e na residência do cônsul da Arábia Saudita em Istambul".

Jamal Khashoggi, 59 anos, colunista respeitado e colaborar do jornal Washington Post, foi assassinado em 2 de outubro no consulado geral de seu país em Istambul.

Desde o desaparecimento de Kashoggi, os jornais turcos, incluindo o Sabah, afirmavam que os investigadores tinham gravações de vídeo e áudio que provavam que o jornalista foi torturado, assassinado e esquartejado.

Ancara, no entanto, não reconheceu oficialmente a existência do material de áudio e vídeo. O presidente Recep Tayyip Erdogan não mencionou estes elementos em um discurso na terça-feira sobre o caso Khashoggi.

De acordo com o jornal Sabah, Gina Haspel, que foi espiã e fala turco, se reuniu com altos funcionários do governo de Ancara.

gkg/ezz/phv/pa/zm/fp



Recomendadas para você