Mudanças climáticas vão aumentar migração de centro-americanos

As mudanças climáticas vão provocar um aumento das migrações de centro-americanos para os Estados Unidos, advertiram nesta terça-feira (23) no Panamá autoridades ambientais da região, em um momento que uma caravana de migrantes hondurenhos atravessa o território mexicano.

Destacaram que as mudanças climáticas originaram na região fenômenos extremos como secas e chuvas prolongadas, o que terminou causando danos a cultivos de famílias humildes que deixam sua terra em busca de novas oportunidades.

"Os próximos migrantes vão ser migrantes climáticos", disse a jornalistas a ministra do Meio Ambiente e Recursos Naturais de El Salvador, Lina Pohl.

A América Central sofreu "perdas recorrentes na agricultura, com populações que têm cada vez menos oportunidades de trabalho e desenvolvimento", razão pela qual a migração aumentará sem que "os muros" possam deter o fenômeno, acrescentou Pohl.

Segundo um comunicado do Conselho de Ministros da Comissão Centro-americana de Ambiente e Desenvolvimento (CCAD), reunido nesta terça-feira no Panamá, entre os 15 países mais vulneráveis do mundo aos eventos climáticos estão Honduras, Nicarágua, Guatemala, El Salvador e República Dominicana.

"Os impactos das mudanças climáticas são parte dos detonadores da migração", advertem.

"Todos os nossos países têm um problema de não ter segurança alimentar, nem como sobreviver. Acontece a migração e todos os países centro-americanos estão sofrendo", destacou Elvis Rodas, vice-ministro hondurenho de Recursos Naturais e Ambiente.

"Independentemente da caravana, a afetação das mudanças climáticas provoca migrações porque você não tem uma sustentabilidade no lugar onde você nasceu", acrescentou Rodas.

Com isso, fez alusão à caravana de milhares de hondurenhos, que atravessam o México rumo aos Estados Unidos, fugindo da pobreza e da violência em seu país.

 

Na parte do corredor seco centro-americano, que se estende por Guatemala, Honduras e El Salvador, se registrou em 2016 uma das secas mais graves dos últimos 10 anos.

Esse fenômeno deixou 3,5 milhões de pessoas necessitadas de assistência humanitária, segundo a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO).

A mudança de temperatura, o prolongamento de secas e a intensificação das chuvas levam milhões de agricultores centro-americanos que sobrevivem da produção de grãos básicos percam seus cultivos.

Estes fenômenos climáticos afetam também os orçamentos dos países, que se veem obrigados a dispor de recursos que poderiam ser destinados a outras áreas, como educação, saúde e desenvolvimento social, segundo as autoridades.

Na Guatemala, só este ano, mais de 100.000 famílias foram afetadas pela perda das colheitas de milho e feijão devido à variabilidade do clima, indicou Alfonso Alonzo, ministro do Ambiente da Guatemala.

"É incontestável que as mudanças climáticas estão contribuindo para a terrível decisão que as pessoas estão tomando de migrar", disse Elena Pita, funcionária do programa de adaptação às mudanças climáticas da ONU Meio Ambiente para a América Latina e o Caribe.

"As populações são muito vulneráveis porque há um alto percentual de gente muito pobre", acrescentou.

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais