Jornal do Brasil

Internacional

Governo saudita cogita admitir que Khashoggi morreu em interrogatório

Jornal do Brasil

A Arábia Saudita está considerando admitir que o jornalista Jamal Khashoggi morreu durante um interrogatório que deu errado, reportou a imprensa dos EUA nesta segunda-feira (15).

Khashoggi, um cidadão saudita residente nos EUA, que se tornou cada vez mais crítico do poderoso príncipe herdeiro Mohammed bin Salman, não é visto desde que entrou no consulado de Istambul do reino para resolver a papelada do casamento no dia 2 de outubro.

Autoridades turcas disseram acreditar que ele foi morto, uma alegação que a Arábia Saudita nega.

Uma equipe de especialistas da polícia turca e de promotores realizaram nesta terça uma ampla revista no consulado em Istambul, que durou cerca de oito horas, constatou a AFP no local.

A equipe recolheu vestígios, principalmente na terra do jardim do Consulado, declarou um responsável presente no local.

Segundo a rede de televisão CNN, duas fontes afirmam que os sauditas estão preparando um relatório no qual reconhecerão que a morte de Khashoggi resultou de um interrogatório que deu errado durante um sequestro.

Uma fonte da CNN advertiu que o relatório ainda está sendo preparado e pode mudar, enquanto outra fonte disse que provavelmente concluirá que a operação ocorreu sem autorização e que os envolvidos serão responsabilizados.

O Wall Street Journal, citando fonte próximas ao assunto, afirmou que o reino está ponderando se deve dizer que agentes mataram Khashoggi por engano durante um interrogatório. O jornal, como a CNN, disse que a declaração saudita não foi finalizada.

O destino de Khashoggi incomodou aliados ocidentais tradicionais de Washington e da Arábia Saudita.

O presidente dos EUA, Donald Trump, disse nesta segunda-feira que conversou com o rei Salman, da Arábia Saudita, que negou veementemente o envolvimento do reino no desaparecimento de Khashoggi.

"Me parece que talvez possam ter sido assassinos desonestos. Quem sabe?", disse o presidente, descrevendo a situação como "terrível".

Trump enviou seu secretário de Estado, Mike Pompeo, ao reino nesta segunda-feira para descobrir "em primeira mão o que aconteceu, o que eles sabem, o que está acontecendo".

"Queremos descobrir o que aconteceu e ele tem instruções para descobrir o que houve".

A agência de notícias estatal turca Anadolu disse que Pompeo é esperado na Turquia na quarta-feira para se encontrar com o ministro das Relações Exteriores da Turquia, Mevlut Cavusoglu, depois das negociações em Riad.

O príncipe Mohammed, 33, filho do rei Salman, consolidou seu controle em junho de 2017, quando foi nomeado príncipe herdeiro para substituir seu primo, Mohammed bin Nayef, que foi demitido.

 

 



Recomendadas para você