Jornal do Brasil

Internacional

Irlandas ainda são 'obstáculo' para acordo do Brexit

UE e Reino Unido não definiram solução para fronteira

Jornal do Brasil

Fontes do governo da primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, afirmaram nesta segunda-feira (15) que a questão da fronteira entre República da Irlanda e Irlanda do Norte continua sendo um "verdadeiro obstáculo" para o acordo sobre sua saída da União Europeia.

No último domingo (14), o site "Politico" havia anunciado um pacto entre Londres e Bruxelas, mas declarações subsequentes mostraram que o acordo do Brexit ainda está longe de se tornar realidade.

Membros do governo May disseram à imprensa britânica que a questão das Irlandas é um "problema significativo", já que o Reino Unido teme a criação de fronteiras dentro de seu próprio território. As negociações são regidas por um princípio chamado "backstop", que garante que, se não houver acordo, a fronteira entre as Irlandas permaneça inalterada, ou seja, inexistente.

Se isso acontecer, a Irlanda do Norte, que é território britânico, continuaria no mercado comum e na união alfandegária e ficaria submetida a regras diferentes do restante do Reino Unido. Os defensores de um Brexit mais duro alegam que isso seria a anexação de território britânico pela UE.

Por outro lado, o acordo de paz entre as Irlandas, assinado em 1998, prevê fronteiras abertas, ao reconhecer as ligações históricas entre os dois territórios. O governo May insiste para que o chamado "backstop" valha para todo o Reino Unido.

A primeira-ministra é pressionada pelo Partido Unionista-Democrático (DUP), sigla anti-UE da Irlanda do Norte e de quem ela depende para se manter no poder. "Apesar das intensas negociações, diversas questões permanecem sem solução", admitiu o porta-voz da Comissão Europeia, Margaritis Schinas.

Na próxima quarta-feira (17), os líderes dos 27 Estados-membros remanescentes no bloco se reunirão para discutir o impasse nas tratativas do Brexit. Se houver acordo, o divórcio acontecerá em 29 de março de 2019, mas com um período de transição até 31 de dezembro de 2020. Do contrário, a ruptura será imediata.



Recomendadas para você