Premier escocesa pede paciência aos separatistas

A primeira-ministra da Escócia, Nicola Sturgeon, pediu "pragmatismo" e "paciência" nesta terça-feira (9) a quem, no seio de seu Partido Nacionalista Escocês (SNP), queria uma independência imediata do Reino Unido diante da ameaça do Brexit.

A chefe do governo regional e líder do SNP está sob pressão para convocar um novo referendo à medida que cresce o temor de que um Brexit sem acordo, pela falta do entendimento entre Londres e Bruxelas, tenha consequências econômicas caóticas quando o país sair da União Europeia (UE) no fim de março de 2019.

Em um referendo realizado em 2014, 55% dos escoceses se declararam contra a independência da região, mas depois, na consulta em 2016, votaram amplamente a favor de permanecer na UE, contra a opinião majoritária no Reino Unido.

Sturgeon é uma eurófila convicta que costuma se alinhar com o posicionamento da UE em questões econômicas, mas disse aos seus delegados que o fracasso na consulta de 2014 significa que a Escócia deve estar totalmente preparada para a independência antes de votar novamente.

"O nosso trabalho consiste em pegar essa paixão e misturá-la com o pragmatismo, a perseverança e a paciência para convencer os que ainda não estão convencidos", afirmou.

"Se o fizermos, acreditem, o ímpeto pela independência será imparável", acrescentou.

Essa não é a primeira vez que a dirigente destaca que prefere esperar o fim das negociações sobre o Brexit antes de fazer uma nova consulta, que necessitaria a aprovação do Parlamento britânico e que, segundo as pesquisas, não é certa de ganhar.

"Enquanto esperamos - algumas vezes impacientemente, eu sei - o fim dessa fase de negociações e que a neblina do Brexit se dissipe, não tenham dúvidas sobre isso. Nos últimos dois anos estivemos demonstrando o motivo pelo qual a Escócia precisa ser independente", afirmou. "Tenho mais confiança do que nunca que a Escócia será independente" um dia, acrescentou.

mml-acc/eg/cb/mvv