Senado dos EUA se encaminha para confirmar candidato de Trump à Suprema Corte

O Senado dos Estados Unidos parece encaminhado a confirmar o candidato do presidente Donald Trump à Suprema Corte, depois que a maioria republicana assegurou nesta quinta-feira (4) que uma investigação do FBI o isenta das acusações de agressão sexual.

A oposição democrata considerou, no entanto, a investigação "incompleta" e "limitada" por uma Casa Branca decidida a conseguir a confirmação de Brett Kavanaugh, um juiz conservador de 53 anos.

A indicação de Kavanaugh, acusado pela professora da Califórnia Christine Blasey Ford de tentar estuprá-la em uma festa em 1982, quando os dois eram estudantes, ocorre em um clima de forte polarização política.

Enquanto no Capitólio avançava o processo de confirmação, milhares de pessoas se manifestavam contra Kavanaugh nas ruas de Washington, onde várias organizações feministas e de defesa dos direitos civis convocaram um dia de protestos com a esperança de convencer os republicanos de não aprovar a indicação.

"O juiz Kavanaugh deve ser confirmado no sábado", declarou em entrevista coletiva o senador republicano Chuck Grassley, presidente da Comissão Judicial do Senado.

"Com sorte, estamos a 48 horas de ter uma nova pessoa na Suprema Corte", acrescentou, depois de afirmar mais cedo em um comunicado que a investigação do FBI "não encontrou indícios de má conduta" do magistrado.

A pedido da oposição democrata e do senador republicano Jeff Flake, o FBI realizou uma investigação desde sexta-feira passada sobre as denúncias de Blasey Ford, cujo depoimento há uma semana foi acompanhado por milhões de pessoas ao vivo pela televisão.

 

"Não encontramos nada, nada que corrobore as acusações", apontou o também influente senador republicano Orrin Hatch. "Agradeço ao FBI por seus esforços para fazer uma investigação minuciosa e muito importante".

Os republicanos, que controlam o Congresso e a Casa Branca, apontam a Kavanaugh para, nas próximas décadas, inclinar para o lado conservador as sentenças da Suprema Corte, instituição que regula assuntos sensíveis na sociedade americana.

Trump indicou Kavanaugh em substituição ao juiz Anthony Kennedy, que era o voto de desempate em um tribunal agora dividido igualmente entre quatro juízes conservadores e quatro progressistas.

A confirmação de Kavanaugh ao mais alto tribunal de justiça dos Estados Unidos ocorrerá em um Senado onde os republicanos têm uma apertada maioria (51-49). Até agora, três senadores republicanos são os principais na votação: Jeff Flake, Susan Collins e Lisa Murkowski.

"Parece ser uma investigação muito completa", assinalou Collins, enquanto Flake, duro crítico de Trump, indicou que o relatório do FBI não continha "informação adicional" que corroborasse as denúncias.

 

Os democratas consideraram que a investigação do FBI era insuficiente. "Parece ser o produto de uma investigação incompleta que, talvez, tenha sido limitada pela Casa Branca", disse a jornalistas a principal democrata da Comissão Judicial do Senado, Dianne Feinstein.

"Tínhamos muito medo de que este fosse um processo muito limitado", acrescentou o líder da minoria do Senado, Chuck Schumer. "Esses temores se concretizaram".

A senadora democrata Heidi Heitkamp, que havia sido vista como possível votante a favor de Kavanaugh, disse que também irá se opor a sua confirmação.

Kavanaugh negou com veemência a acusação contra ele feita por Blasey Ford e por outras duas mulheres por sua má conduta sexual, entre elas Deborah Ramirez, que disse que o agora juiz lhe mostrou as suas partes íntimas durante uma festa na Universidade de Yale.

Os advogados de Blasey Ford lamentaram que ela não tenha sido ouvida na investigação.

 

"Não traiam as mulheres, votem não" e "Acreditem nas sobreviventes", expressavam os manifestantes em seus cartazes e reunidos na sede da Suprema Corte.

"Acredito no que a doutora Ford disse, e acho que Kavanaugh faz parte do clube de velhos amigos que querem protegê-lo sem importar as circunstâncias"", disse Angela Trzepkowski, que chegou à capital saída do estado Delaware (leste).

Para Trzepkowski, o relatório do FBI está parcial. "Não é a investigação aberta e imparcial que havíamos pedido".

Trump afirmou mais cedo no Twitter que o relatório do FBI isentava o seu candidato e se mostrou otimista sobre as chances dos republicanos nas legislativas de novembro, na qual o governo pode perder o controle do Congresso.

"O tratamento severo e injusto ao juiz Brett Kavanaugh está tendo um impacto incrível nos eleitores", disse Trump. "As PESSOAS entendem muito mais do que os políticos".

"O mais importante é que esta grande vida não pode ser arruinada por democratas mesquinhos e desprezíveis e por acusações completamente não confirmadas", disse Trump sobre seu candidato.