Ataque contra sede da petroleira nacional de Trípoli deixa dois mortos

Ao menos duas pessoas morreram e outras 10 ficaram feridas nesta segunda-feira (10) em um ataque atribuído a extremistas contra a sede da Companhia Nacional de Petróleo (NOC) em Trípoli, onde foram ouvidos uma explosão e disparos, segundo uma fonte dos serviços de segurança líbios e testemunhas.

Por enquanto o ataque não foi reivindicado, mas a missão na ONU na Líbia (Manul) e os serviços de segurança o qualificaram de "terrorista" e fizeram referência a "suicidas".

Um funcionário da NOC indicou que homens encapuzados atacaram a sede da companhia após um tiroteio com os guardas.

"Pulei pela janela com outros colegas. Depois ouvimos uma explosão", acrescentou a fonte, que pediu anonimato.

A força Al-Redaa, um grupo armado que atua como a polícia em Trípoli, afirmou ter encontrado "os restos mortais de suicidas" no edifício, mostrando fotos como prova.

Seu porta-voz, Ahmed Ben Salem, indicou que dois suicidas se explodiram no segundo e terceiro andares, acrescentando que ao menos dois seguranças da companhia morreram no ataque.

Em uma declaração à imprensa, o chefe de Segurança de Trípoli, Salah al-Semui, atribuiu o ataque ao grupo extremista Estado Islâmico (EI), sem dar mais detalhes.

O ataque deixou ao menos dois mortos e uma dezena de feridos, segundo um primeiro balanço do Ministério da Saúde.

Em uma declaração à emissora Líbia 218, o primeiro executivo da la NOC, Mustafa Sanala, falou em mortos e feridos entre a equipe da companhia, alguns em "estado grave".

Sanala, que foi retirado de seu escritório, lamentou "danos consideráveis" na sede da companhia.

O edifício, situado perto do centro da cidade, pegou fogo e ficou cercado pelos serviços de segurança, segundo as mesmas fontes. Vários funcionários se abrigaram no telhado para escapar da fumaça antes de serem evacuados pela Defesa Civil. O fogo foi rapidamente controlado.

Este ataque acontece quatro meses depois de outro contra a Alta Comissão Eleitoral em Trípoli, cuja autoria foi atribuída ao EI e deixou 14 mortos.

O petróleo é estratégico já que proporciona à Líbia mais de 95% de suas renda.