Justiça do Sudão do Sul condena soldados culpados por estupros e assassinato

A corte marcial do Sudão do Sul declarou nesta quinta-feira dez soldados culpados de estuprar cinco trabalhadoras humanitárias estrangeiras e matar um jornalista local em Juba, em 2016.

Os réus eram acusados de estupro, assassinato, saques e destruição de bens.

A violência eclodiu na capital do Sul do Sudão quando caiu o acordo de paz entre o Presidente Salva Kiir e o ex-vice-presidente Riek Machar, em julho de 2016.

Durante os combates, as forças do governo atacaram um hotel onde cerca de 50 trabalhadores de organizações estrangeiras estavam hospedados.

No julgamento, o proprietário do hotel britânico, Mike Woodward disse que entre 50 e 100 soldados armados invadiram o local.

Woodward falou de um estupro coletivo de ao menos cinco estrangeiras, o assassinato de um jornalista sudanês do sul e um funcionário americano espancado. Também disse que os soldados "espancaram e torturaram quase todos no edifício" .

O tribunal também afirmou na quinta-feira que o governo sudanês do Sul teve que pagar US$ 4.000 em indenizações para cada vítima de estupro, e mais de dois milhões de dólares para o proprietário do hotel.

Dois anos e meio após a independência em dezembro de 2013, o Sudão do Sul mergulhou em uma guerra civil que deixou dezenas de milhares de mortos e mais de 3,5 milhões de deslocados.

 

str-fb/tmc/wdb/jlb/cr/es/zm/cn