Jornal do Brasil

Internacional

Alemanha discute monitar partido nacionalista AFD

Novo ato contra xenofobia reuniu 50 mil na Saxônia

Jornal do Brasil

Mais de 50 mil pessoas protestaram, no domingo, (2) contra a xenofobia e a extrema-direita na Alemanha, no marco de uma forte reação aos recentes acontecimentos de Chemnitz, cidade onde há uma semana desatou uma tensão nacionalista.

A manifestação ocorreu na Saxônia, com um show de rock da banda Kraftklub e sob o slogan "nós somos mais". O ato pediu uma Alemanha "tolerante e aberta", que recebe bem os refugiados e imigrantes. "Say it loud, say it clear, refugees are welcome here (Diga alto e claramente, refugiados são bem-vindos aqui)", proclamaram os organizadores.

No palco, estiveram também Die Toten Hosen, os "punkers" Feine Sahne Fischfilet, os "hip hoppers" K. I. Z. e os "rappers" Marteria e Casper.

Ao mesmo tempo em que os manifestantes faziam o show, o nacionalista Alternativa para a Alemanha (AFD) se tornava epicentro de uma polêmica, com o autoridades e políticos locais pedindo que o movimento seja monitorado pelo governo devido aos seus discursos inflamados de ódio. O líder do AFD, Bjorn Hocke, por exemplo, define o Memorial do Holocausto de Berlim como "um momento à vergonha".

O AFD, no último fim de semana, organizou um ato em Chemnitz com o grupo antimuçulmano Pegida contra imigrantes e contra a morte de um alemão supostamente cometida por dois estrangeiros - um sírio e um iraquiano - na cidade. O ato, que reuniu 4 mil participantes, terminou com nove feridos e 25 detidos, após um confronto com movimentos opositores à extrema-direita.

"Não são cívicos e nem patriotas. São um partido e o qual os serviços internos devem vigiar", pediu a secretária do Partido Social-Democrata da Alemanha (SPD), Andrea Nahles. A posição foi compartilhada pela ministra da Justiça, Catharina Barley: "Parte do AFD atua claramente contra a Constituição e devem ser tratada como outro inimigos da Carta Magna, colocados sob vigilância", disse.

No entanto, o ministro do Interior Horst Seehofer excluiu que existam condições para colocar "todo o partido" em vigilância.



Tags: Alemanha

Recomendadas para você