Ospedintesdo Senegal

-->ÁFRICA-->Adam Nossiter-->THE NEW YORK TIMES-->O juiz f alou de modo tr an - quilo , e décadas de costumes f or am r apidamente r eduzidas a pó: os homens sag r ados m uçul - manos serão punidos por f orçar crianças a pedir esmolas. A sentença, tr ansmitida no tri- bunal de Dacar , Senegal, f oi de apenas seis meses sob pr o v ação , e uma m ulta par a os sete mar a bus, ou homens sag r ados. Ainda as- sim, o r esultado é quase uma r e - v olução social, na visão de algu- mas pessoas. Atr a vés do decr eto do go v erno , e sob pr essão inter- nacional, o Estado pr oibiu os ma- r a bus de r ecrutar em crianças pa- r a mendigar em nome deles. Do lado de f or a do tribunal lo - tado , uma dúzia ou mais de ma - r a bus v estidos de br anco se r eu - niam par a discutir a situação dos colegas. Mais de 40 apoiar am os colegas condenados, e sa biam dos riscos. Se o go v erno per sistisse, mi - lhar es de crianças poderiam ser salv as de uma prática que g rupos de dir eitos humanos condenam co - mo e xplor ação disf arçada de edu - cação , mas que líder es r eligiosos defendem como essenciais par a manter suas iniciati v as em cur so . – Bem triste, bastante pesado; é um costume dos nossos antepassados – disse mais tar de o xerife Aidar a, confer encista islâmico do g rupo . Do lado de f or a do tribunal, Aboubacr y Barr o , ad v o gado dos mar a bus condenados, disse que a prática sempr e e xistiu no Senegal. – É um caso sem pr ecedentes – acrescentou.-->T radição pr esente nas r uas-->Uma car acterística singular e gener alizada da paisagem local pa --->mo a r espeito dos te xtos sag r ados m uçulmanos, de acor do com a ONG Human Rights W atc h, que estima que haja cer ca de 50 mil hoje nas ruas do Senegal. Os mar a bus dependem das es - molas deploráv eis conseguidas pelas crianças par a a própria so - br e vi vência, como declar ar am no tribunal. – É um uso a b usi v o das crianças – diz Ibr ahima T h ioub, especialista em história senegalesa da Uni v er - site Cheikh Anta Diop . – Nas ruas, elas não apr endem o Alcorão . T idiane Balde, porta-v oz dos ma - r a bus no tribunal – cada um deles tem de 40 a 100 talibés, em média – disse que eles não tinham r ecur sos par a alimentar os meninos. – Então , pr ecisam mandá-los às ruas – acr escentou. O costume está tão enr aizado que m u itos senegaleses, mesmo se não apr o v a r e m totalmente, contin uam a a baixar o vidr o das janelas do carr o e dar moedas às crianças, susten - tando a prática. O go v e rno , depen - dente do auxílio de poder o sas ir - mandades m uçulmanas com bas - tantes seguidor es, começou a cuidar do pr oblema. Não há pr essão p o - pular alguma. A indignação v eio em g r ande parte de f or a. Dessa f orma, pr ocessar os ma- r a bus é uma importante ruptur a com o passado , conta T h ioub. – É algo totalmente no v o , e m u i- to importante, le v ar os mar a bus à justiça – d iz o historiador . – Isso pode se tornar um tanto compli- cado par a o go v erno . – T emos que esper ar e v er se isso é algo ocasional, ou se é um compr o - misso r eal – diz Matthe w W ells, in - teg r ante da Human Rights W atc h.-->Eles estariam com os dias contados. Justiça decidiu contra antiga tradição-->r ece estar pr estes a m udar: as m ul - tidões de meninos esf arr apados, conhecidos como talibés, que pe - diam esmolas a motoristas e pe - destr es em nome dos mar a bus. As crianças, algumas de 4 anos, ficam ger almente descalças, e pas - sam por momentos arriscados nas ruas e calçadas, caminhando entr e o trânsito com camisetas r asgadas e sujas. Quando r etornam às suas mo - r adias rudimentar es à noite, de v em entr egar as moedas aos mar a bus ou enfr entar punições se v er as. Depois de o go v erno ter an un- ciado a pena, a polícia começou a r odear os meninos e outr os pe- dintes. As crianças, uma por v ez, le v a r a m as autoridades aos ma- r a bus, segundo os oficiais.-->Abuso e necessidade-->Até então , eles podiam ser vis- tos em todos os bairr os desta me- trópole m uçulmana da África Ocidental. A par entemente alu- nos de escolas onde o A lcorão é ensinado , os meninos ger almente saem destes esta belecimentos temporários sa bendo pouquíssi--->EDUCAÇÃO -->– T alibés vão às r uas arranjar dinheir o aos marabus, que alegam que isso é usado para a educação delesT radução: Maíra Mello