Ministra Maria Cristina Irigoyen, do TST, vai integrar o CNJ

O pleno do Tribunal Superior do Trabalho indicou a vice-presidente da corte, ministra Maria Cristina Irigoyen Peduzzi, para ocupar, no Conselho Nacional de Justiça, o lugar do ministro Carlos Alberto Reis de Paula, que será empossado no cargo de presidente do TST na próxima terça-feira (5).

Conforme estabelece a Constituição, a indicação será submetida à aprovação do Senado e, depois, apresentada à presidente Dilma Rousseff para nomeação. A eleição da ministra Pedruzzi foi por aclamação, por sugestão do presidente do TST, João Oreste Dalazen.

O CNJ - responsável pelo controle externo dos tribunais - é integrado por 14 conselheiros, além do presidente do Supremo Tribunal Federal. A última mulher a  fazer parte do Conselho foi a ministra Eliana Calmon, atual vice-presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), e que foi corregedora nacional de Justiça.

A ministra Maria Cristina Peduzzi, 60 anos, nascida no Rio Grande do Sul, é mestre em "Direito, Estado e Constituição" pela Universidade de Brasília, e atuou como advogada perante os tribunais superiores, de 1975 até sua posse como ministra do TST, em junho de 2001.