Emendas: vereadores ganharam, mas não levaram

Os vereadores do Rio de Janeiro já começaram o ano com uma surpresa nada agradável, proporcionada pelo prefeito Eduardo Paes. Ele bloqueou o repasse dos R$ 800 mil em emendas individuais de cada parlamentar, valor aprovado no orçamento do município em 2013. Para a vereadora Teresa Bergher (PSDB), a "pegadinha" serve de lição para a base aliada:

"Foi uma paulada principalmente para aqueles vereadores da base, que defendem os 30% de remanejamento no orçamento. Agora eles estão recebendo esse prêmio do prefeito, com as emendas deles prejudicadas. Os valores já são muito pequenos, mas atendem a pequenas iniciativas. Deu-se um cheque em branco para o prefeito e ele vai fazer com o dinheiro do contribuinte aquilo que ele bem entende", debochou.

O secretário municipal de Governo, Rodrigo Bethlen, contudo, não acredita em qualquer mal estar na casa. Para ele, a prefeitura segue aberta ao diálogo:

"A gente está começando o ano com uma incerteza econômica, então a prefeitura tem que ser mais comedida. Vamos buscar atendê-los da melhor forma possível", explica o braço direito de Paes.

Mesmo assim, o descontentamento entre os vereadores é geral. Fala mais forte, porém, na oposição. Vários vereadores acreditam que a decisão de Paes tem fundo político: obrigar os parlamentares a barganharem pela liberação dos valores e seguirem suas determinações. Por isso, afirmam que o prefeito só vai tirar o escorpião do bolso "para os seus preferidos". Os demais, sobretudo os opositores, devem seguir à míngua.