Oposição de mentirinha

Ao contrário do que acontece na Assembleia Legislativa (Alerj), onde as bancadas de oposição costuma atuar em uníssono contra as iniciativas do governador Sérgio Cabral, na Câmara Municipal do Rio parece que PSOL e DEM, as duas maiores legendas contrárias ao prefeito Eduardo Paes, não vão se bicar.

Para Eliomar Coelho, líder dos socialistas na casa, a presença de Cesar Maia não será o bastante para engajar de fato a bancada democrata contra o governo, o que seria um motivo para "não se misturarem". Ele acredita que os demais parlamentares do DEM seguirão fazendo o que chama de "oposição de mentirinha":

"Aqui tem vereador que se diz de oposição e não votou uma vez sequer contra um projeto do Executivo. Tem vereador de oposição que tem até lugar na Mesa Diretora", acusa, em referência a Carlo Caiado (DEM), um dos únicos "Cesar Boys", como eram conhecidos os jovens discípulos de Maia, que ainda não se bandeou, ao menos oficialmente, para o lado de Paes.

Oficialmente, os partidos de oposição - além de PSOL e DEM, entram na conta PR, PV e PSDB - contam com 12 das 51 cadeiras da casa, mas vários deles devem ficar ao lado da prefeitura. Além de Caiado, Tio Carlos, também do DEM, costuma votar a favor do governo. Recém-eleito, Junior da Lucinha (PSDB) deve seguir esta linha, já adotada por sua mãe Lucinha (PSDB). A dupla inclusive fez campanha na Zona Oeste para Paes, e não para o tucano Otávio Leite.