Psol: oposição com os pés no chão

A oposição não anda muito unida na briga contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O DEM, o PSDB e o PPS, que vira e mexe adora alardear qualquer suspeita contra o ex-presidente na expectativa de atingi-lo, não devem contar, por exemplo, com o apoio do PSOL.

Assim como o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, declarou à Folha de S.Paulo, o partido não acredita muito nas "novas denúncias" de Marcos Valério.

O PSOL entende que as acusações feitas pelo publicitário Marcos Valério, condenado no julgamento do mensalão, carecem de substância e não podem, por si só, embasar um inquérito. Menos ainda  provocar uma investigação contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

"Você não abre inquérito contra um ex-presidente sem provas que o sustentem. Toda denúncia deve ser investigada, mas no caso do Marcos Valério, tanto o STF, quanto a PGR afirmaram que o objetivo era tumultuar o fim do julgamento do mensalão", explica o líder do partido na Câmara, Ivan Valente (SP).

"Nós só entraremos em um projeto desse tipo quando houver prova consistente. Não podemos sair de cara, sem ter elementos, fazendo acusações que nos deixem em uma posição que não é de seriedade", adverte, deixando claro que não entra na luta politica pura e simples como pretendem seus colegas das outras siglas.