Passe livre, mas não há muito tempo

O vereador Brizola Neto corre a explicar que seu relacionamento com a comunidade do Rio das Pedras, em Jacarepaguá, na Zona Oeste do Rio, é antigo, herança de seu avô. Seu passe livre na região passa, portanto, distante dos velhos milicianos daquela área.

A ligação vem do "ex-governador Leonel Brizola, que construiu casas populares e fez um Ciep entre outras melhorias", no que deu forma à comunidade, durante o seu primeiro governo (1983-1986).

Não é bem assim. Em outros tempos, quando mandavam na comunidade o inspetor de polícia civil Félix dos Santos Tostes e o ex-vereador Josinaldo Francisco da Cruz, o Nadinho de Rio das Pedras, a campanha era limitada aos amigos dos milicianos. 

Até que, em 2003, houve o racha nas eleições para deputado federal: Félix apoiou o PMDB e Nadinho, o DEM. Naquela época, o PDT quase não tinha espaço. Em consequência do racha político, os dois acabaram assassinados. A partir de suas mortes, a polícia e o Ministério Público Estadual desvendaram toda a ramificação da  milícia.

Nestas eleições, segundo policiais do 32ª DP, na Taquara, em Jacarepaguá, já é possível haver campanha dentro da comunidade porque a milícia foi desarticuladas: uns foram mortos; outros estão presos; soltos sobraram poucos.