Abílio Diniz começa a passar suas ações da holding do Pão de Açúcar ao Casino

Como o Informe JB anunciou sábado, Abílio Diniz está mesmo vendendo seus papéis na Wilkes, controladora do Grupo Pão de Açúcar. Mas ele, por força do Contrato de Opções de Venda de Ações, assinado em 2005, tem as mãos atadas. Só pode oferecê-las ao Grupo Casino, que é obrigado a adquiri-las.

Diniz notificou, segunda-feira, o grupo francês. Foi a "sua primeira opção de venda de ações ordinárias". No próximo dia 22 a venda de 2,4% do capital social com direito a voto deverá ser formalizada. Custará aos franceses US$ 10.500.000,00, valor a ser pago em, no máximo, dois dias após a transferência das ações.

Com este lote de ações, a participação do Casino no Wilkes passará dos atuais 50% para 52,4%. A Diniz sobrarão 47,6% do capital cotante, ou seja, sem maioria. Mas, ao preço atual do papel, tem ainda uma pequena fortuna: 208,2 milhões de dólares.

A venda, destes papéis, porém, não está liberada. Por conta do mesmo contrato de 2005, Diniz só pode pensar em se desfazer destas ações, na sua segunda opção de venda, a partir de junho de 2014. Terá então oito anos, isto é, até 2022, para fazê-lo.