Controle absoluto

Dirigente nacional do MST, João Pedro Stédile avalia que a forma de repressão aos sem-terra mudou radicalmente na última década. Se antes os coronéis resolviam a questão à bala, agora o agronegócio se valeria de uma aliança com a mídia e magistrados. Na sua visão, a estratégia distorce a realidade de acordo com interesses escusos e usa a Justiça para oprimir: 

"Em vez de assassinatos, eles nos criminalizam, nos reprimem através do Poder Judiciário e da imprensa. Esses são os dois poderes sobre os quais eles têm controle absoluto". 

A richa com a chamada grande mídia é antiga. O líder do MST cita os exemplos da ocupação de uma fazenda produtora de laranja em São Paulo. Segundo sua versão, a Cutrale, exploradora da área, aliada com a Coca-Cola, a TV Globo e o então governador José Serra demonizaram o movimento. Transformaram "os pobres sem-terra em demônios devastadores de laranja", acusa.