COB coloca ciclismo de pista brasileiro em risco

O presidente da Federação de Ciclismo do Estado do Rio de Janeiro (Fecierj), Claudio Santos, prefere não acreditar que o velódromo construído para os Jogos Pan-Americanos de 2007, ao custo de R$ 14 milhões, será demolido. A praça esportiva, tida como um dos elefantes brancos deixados pela competição realizada na década passada, é, hoje, local de treinamento da equipe de ciclismo de pista Caloi Velo Brasil.

“O projeto recebe mais de R$ 3 milhões ao ano, valor jamais atingido em investimentos neste esporte. Se derrubarem o velódromo, acaba a equipe”, lamentou , lembrando a equipe que conta com 15 atletas.

O inglês Simon Jones, técnico de ciclismo que mais ganhou medalhas olímpicas, era um dos treinadores da equipe. Depois de transformar a Austrália em uma das potências mundiais do esporte, o treinador, segundo Claudio, fez promessas de medalhas aos brasileiros.

“Tínhamos meta de ganhar medalhas olímpicas em 2020. Caso haja a demolição, tudo vai por água abaixo. Essa notícia deve ser brincadeira do Comitê Olímpico Brasileiro. Não faz sentido algum, e tem de ser revertida”.