PSD confiante em nova avaliação da sua cota no fundo partidário

Militantes e políticos do PSD se reuniram nesta sexta-feira, no Rio de Janeiro, e mostraram otimismo em relação ao aumento da cota do partido no fundo partidário. Vice-governador de São Paulo, Guilherme Afif acha que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) tomará a decisão correta. 

"Estou otimista, acho que estamos prestes a ter uma decisão favorável. Se a lei diz que o mandato é do partido, com exceção da criação de nova sigla, os direitos acompanham o novo partido", disse Afif. 

R$ 1,6 milhão por mês em jogo

O recém-criado PSD batalha por um valor que deve chegar a R$ 1,6 milhão por mês. Segundo as regras do fundo partidário, cada sigla recebe de acordo com a sua participação parlamentar e número de votos. O problema é que o PSD não participou das eleições de 2010, ou seja, não teria direito a qualquer incentivo. 

Contra-argumento

No entendimento do PSD, os políticos que migraram de outros partidos para a nova legenda devem levar consigo seus percentuais eleitorais. Assim, o PSD teria a seu favor os 5,1 milhões de votos recebidos por seus 52 políticos eleitos.