Sem alianças partidárias, candidatura de Freixo investe em apoio de dissidentes

Isolado como único partido de esquerda com representatividade na oposição aos governos estadual e municipal, o PSOL não conseguiu formar uma coligação de peso para sustentar a candidatura do deputado estadual Marcelo Freixo à prefeitura do Rio.

Atualmente, o partido ainda não conseguiu costurar uma aliança com nenhum outro partido. Até mesmo o PSTU, aliado histórico da legenda, deve lançar candidatura própria. 

Freixo esteve próximo de uma aliança com o PV, que quase elegeu Fernando Gabeira no último pleito, mas a proximidade com o PSDB fez com que o acordo não fosse selado.

Agora, o movimento da coordenação da campanha do deputado é buscar o apoio de políticos influentes e descontentes com as decisões de seus partidos. A vereadora Andrea Gouvêa Vieira, um dos principais quadros do PSDB carioca, sonhava com uma candidatura ao cargo, mas os tucanos resolveram lançar o deputado federal Otávio Leite. Por isso, a parlamentar já declarou seu apoio a Freixo e, inclusive, se licenciou do partido para poder participar das articulações da campanha psolista.

A direção da campanha de Freixo tenta identificar outras lideranças insatisfeitas com os rumos de seus partidos. Focos de notória disputa interna, PT e PDT podem ser os próximos alvos.